quarta-feira, maio 30, 2007

Sai um rinzinho, oh faxavore!

Nem quero saber o tipo de tarefas/provas de esforço irão exigir aos três concorrentes/doentes renais...

segunda-feira, maio 28, 2007

Um mercado paralelo invertido

Tenho uma amiga que procura uma casa para comprar. Inicialmente ainda viu alguns apartamentos no centro de Lisboa mas face aos requisitos e condições que pretendia e após algumas visitas efectuadas, o seu desânimo dificilmente poderia ser maior. Entretanto começou a procurar nos arredores da capital. Aí já começaram a surgir algumas boas oportunidades. Tinha no entanto de ponderar o facto de poder ter uma boa casa a um preço menos especulado mas com a condição de estar mais longe da cidade que ela tanto gosta.
Este foi o ponto de partida para a nossa conversa do fim-de-semana passado. Sabendo ela que eu já teria passado pelo mesmo processo de “busca de poiso”, confrontou-me com algumas situações que, a maioria delas, acabariam por não me causar grande espanto.
Colocou logo de parte a margem sul. Provavelmente influenciada pelos mais recentes comentários do ministro das obras públicas... Um deserto não é o melhor local para se morar, mas por outro lado, se não “há nada” do outro lado do rio Tejo, vale sempre a pena questionar: de onde vem toda aquela gente que enche a ponte 25 de Abril todas as manhãs?
Zona de Loures? “Esquece... Calçada de Carriche!”
Amadora, Queluz, Damaia, ... “IC19!”
Ok. Percebi logo onde queria chegar. “Também queres vir morar para a linha de Cascais?”
“É para onde me tenho virado mais...”
Começa-me a falar da disparidade de preços entre várias zonas. Zonas estas pouco distanciadas umas das outras e sem justificação óbvia para que tal aconteça. Não se refere à diferença de preços entre um T2 num dos andares do amontoado de torres de S. Marcos (entre o Cacém e Porto Salvo) ou das urbanizações “J. Pimenta” junto da praia de Paço de Arcos e qualquer um outro apartamento, com essa mesma tipologia, num condomínio fechado junto da marginal. Refere-se à disparidade de preços entre um apartamento novo ou recente em Queijas (não muito longe do Estádio Nacional) e qualquer outro, com as mesmas características, localizado na vizinhança: Porto Salvo, Linda-a-Pastora ou Valejas. “O que é que Queijas tem assim de tão especial?” Rigorosamente nada! “Os apartamentos têm mais qualidade? Há melhores acessos?” “Não e não.” Trata-se de pura especulação de preços. Uma espécie de “mercado paralelo invertido” em que há uma estranha sintonia de interesses: para quem compre ou vende, acha perfeitamente razoável que um T2, sem grandes luxos, possa valer mais de 200.000 euros. “Paga-se a zona?” Paga-se um nome, uma marca. Queijas passou, à relativamente poucos anos, a ser uma das “marcas” com mais credibilidade na periferia de Lisboa. “E a mensagem vai passando...” E o capital também. Isto foi só um dos maus vícios que se criou com o crescimento, nos anos 90, do novo-riquismo e das “pseudo” classes média-alta em Portugal em geral, na linha de Cascais em especial. Repare-se que as classes altas desta zona não vão preterir a segurança e a qualidade de vida de viver num condomínio fechado com uma vista desafogada para o mar em detrimento de um “apartamentozinho” de 80 m2 com aspiração central e música ambiente, com uma vista desafogada para... uma auto-estrada. Mesmo que localizado num bairro muito, apesar de tudo, mesmo muito chique! Ter muito dinheiro e pensar que se o tem, sempre fez toda a diferença.

sexta-feira, maio 25, 2007

Resmas... Paletes de Cicciolinas!


Para quem foi ontem à noite ao Pavilhão Atlântico, e ficou nas filas da frente, perceberá como um concerto pode valer bem mais que todos os "salões eróticos" já realizados e por realizar em Lisboa.

quinta-feira, maio 24, 2007

Os casamenteiros limitadinhos

“O casamento tem contribuído para a regulação dos impulsos sexuais...”

Este senhor professor doutor investigador em biotecnologia acredita que o casamento é a solução para quem não esteja “suficientemente empenhado em relações permanentes”. E eu a pensar que “não casar” seria uma opção a ter em conta! Então, lamentavelmente, tenho que corrigir tal afirmação. Nestes casos, os impulsos sexuais não se regulam, escondem-se! Porque, como o senhor professor doutor investigador tão bem sabe (e vê!), não há “instituição”, por mais “milenar” que seja, que controle algo tão incontrolável como o desejo (carnal).
Mas gastar mais uma palavra a dissecar sobre este assunto torna-se um acto completamente inútil. Quem defende o casamento sem restrições, o seu campo de visão está delimitado ao espaço que vai do seu umbigo às teorias da “instituição milenar” e da “castração”. Quem o vulgariza, acha que ele não deve passar de um contrato de direitos e obrigações entre os cônjuges e que os seus afectos são pormenores secundários. Com tantas convicções, perder tempo para quê?

quarta-feira, maio 23, 2007

2 em 1


terça-feira, maio 22, 2007

Beijinho boooommm!

“A direita portuguesa é uma espécie de herdeira do absolutismo do século XIX, mantêm o absolutismo sobre os valores e não tem um discurso de respeito dos direitos dos outros, dos direitos individuais” critica Pires de Lima, em declarações ao jornal Público, acrescentando que o CDS tem de “reconhecer o direito de uma pessoa não ser julgada pelas suas opções de vida.”

O facto de tais palavras virem de um elemento do partido mais à direita do nosso parlamento já pode ser um progresso. Agora só resta que ele, os restantes deputados do CDS e a direita conservadora em geral, entendam que uma nacionalidade ou uma orientação sexual (por exemplo) não são “opções de vida”.

Mais à frente, nessa entrevista, diz que esta preocupação com os direitos individuais não significa que o CDS não seja contra o reconhecimento desses direitos.

Então, podemos todos dormir muito mais sossegados pois vamos passar a ter um partido na AR que - apesar de acharem os nossos “direitos individuais” uma coisa imensamente aborrecida e já terem garantido que não sairá da sua bancada um único voto a favor de qualquer proposta de lei em benefício dos mesmos - vão demonstrar a sua preocupação mandando-nos uma espécie de “beijinho booommmm”. Tá a ver?

domingo, maio 20, 2007

Tradição

A tourada é uma tradição. Uma tradição que só não foi criada pela Inquisição porque, provavelmente, na Idade Média ninguém se lembrou de que os cornos dos touros podiam estar associados a Satanás.

(Já dizer que a raça do touro bravo só ainda não foi extinta porque existe as touradas é de uma hipocrisia latente. Com uma mão passa-se, carinhosamente, com a mão pelo o lombo, com a outra espeta-se-lhe um ferro!)

quinta-feira, maio 17, 2007

O homem é um animal de competição, por natureza

Juntei-me a um grupo de “amigos” e durante uma hora, num dia de semana, jogamos uma partida de Futsal, num complexo desportivo fechado.
Do grupo, poucos são amigos meus, são mais os amigos dos amigos e mais ainda, os amigos dos amigos dos amigos. O que é certo é que o grupo tem variado e aumentado desde que se começou com estas partidas. Na prática somos uns 11 ou 12 gajos com vontade de divertirmo-nos um pouco e cansarmo-nos... muito. A relva sintética, por onde corremos, tem essa particularidade: menor aderência obriga um esforço redobrado nos arranques e paragens. Mesmo usando os famosos sapatos com pitons – que não passa de um sapatinho com saltos altos em toda a superfície da sola, e obriga imediatamente a que passemos a usar aquele caminhar desajeitado dos futebolistas... mas é puro estilo, como diz o outro – que dão um certo apoio nesta área (aderência). Convém relembrar, também, que tratando-se de um campo coberto e não tendo luz natural, obriga a que pairam sobre as nossas cabeças uma dezena de focos potentíssimos - tal permitiria que um elemento de investigação da série CSI encontrasse com facilidade, a olho nu, um pelo púbico no meio daquela relva e desvendasse mais um caso – que transformam aqueles campos numa espécie de saunas de grande escala. Passando o exagero, dá para ficarmos com a roupa encharcada de suor e perdermos uns bons quilitos.
Somos amadores nesta prática desportiva, mas também já tem aparecido, para jogar connosco, alguns jogadores federados de um clube da região. É sempre bom ter por lá alguém que nos vá ensinando como se joga decentemente. Ou pelo menos, entre fintas à Ronaldo, vão tentando. Dos 16 anos aos quarenta e muitos, há para todas as idades e estaturas. Aparentemente, aqui, não há conflitos geracionais.
É interessante perceber, analisando exclusivamente (e a maior parte destas pessoas eu só os vejo ali, naquele campo, uma vez por semana) a forma como jogam, passam a bola ou não, reclamam por uma falta, o “fair-play” em geral, como interagem com o resto da sua equipa e com a equipa adversária, como tal pode repercutir-se na sua maneira de ser e de estar em outros ambientes. Há muitos jogadores esquecem-se que o Futsal, ou o Futebol em geral, é um desporto colectivo e isso pode significar muito mais que uma forma pessoal de encarar um jogo. Pode ter reflexos em toda uma vida social.
É também curioso constatar o facto dos elementos da equipa que saem daquele campo com mais golos sofridos, sejam os mais taciturnos nos balneários. Às vezes o rancor é tanto, que se “esquecem” de despedir dos amigos! Por momentos, esquece-se afinal a razão principal pela qual estamos todos ali e a competição, por mais que não o admitamos, invade-nos totalmente o espírito durante aqueles 60 minutos de chutos numa bola.

E por falar em balneários. Quem conhece os balneários dos futebolistas, sabe que são por si só diferentes e o que se passa lá dentro não tem comparação com qualquer outro tipo de balneário. A não perder, mais pormenores, num próximo post.

terça-feira, maio 15, 2007

:-)

Se a curto prazo houver uma súbita ausência de novos posts, informo, desde já, que é por um bom motivo!
Não é todas as semanas que o meu agregado familiar aumenta e que, consequentemente, sobre tal novo elemento recaia grande parte da minha atenção.

Nasceu não sei quando, nem sei onde, mas consta que pesa mais de tonelada e meia e é os olhos do pai... O que posso garantir mais convictamente é que a única coisa que se abriu para o “dar à luz” foi a imaginação de um designer (de olhos em bico?!) e o meu bolso. E doeu? Sim mas, como qualquer outra dor de parto, será devidamente compensada... espero.
Perfeito, perfeito era ele funcionar a leite. Assim não haveria consumos de 8 litros aos 100 (km), que me deixassem com o cabelo em pé. Às tantas optaria por comprar uma vaca como extra!
“Chorão ou não”, à noite, o meu “novo rebento”, por via das dúvidas, ficará na garagem.

segunda-feira, maio 14, 2007

Um homem desadmirável

Uma das "sócias" da S. A. mais conhecida da blogosfera escreve bem que se farta. Um exemplo:
Às vezes preferia não te admirar. Preferia que fosses homem desadmirável, que lavasses umas janelas ou entregasses umas pizzas e tivesses por ambição uma moto mais potente e um andaime para chegar aos andares de cima; que a Caparica fosse um lugar para excelentes férias e porque haverias tu de levar mais do que três pares de meias para duas semanas? Que palitasses os dentes com a mãozinha a esconder a boca porque é mais fino, que dissesses com licença depois dos arrotos, que achasses que a cerveja alemã é que era boa porque isso é que é de homem embora depois bebesses as imperiais sagres com mais gosto. Preferia que usasses pijamas de turco e tivesses cotão no umbigo, que das tuas orelhas e das narinas saíssem uns tufos, que tivesses pelos nas costas, que cheirasses a urinol público quando despisses as cuecas, que não cortasses as unhas dos pés. Preferia que só te risses de anedotas porcas e só gostasses de gajas de mamas grandes e que votasses sempre no gajo que os teus amigos te indicassem. Preferia que tivesses um crucifixo a balançar no espelho retrovisor e a penélope ainda colada no guarda lamas e até podias ter uns neons debaixo do subwoofer, embora gastasses depois o resto do orçamento a meter a moto toda de origem. Preferia que os teus restaurantes favoritos fossem aqueles de preço fixo onde poderias encher o prato até transbordar porque pagavas o mesmo. Preferia que pensasses que um minete era lá passar a língua duas vezes e depois toca a foder que amanhã temos que acordar cedo. Preferia, sabes? Às vezes. Que isto de admirar um homem é meio caminho andado para o amor e o amor dá uma trabalheira dos diabos.

sexta-feira, maio 11, 2007

Maddie

Nós acusamos os pais de leviandade. Os ingleses acusam a nossa polícia de incompetência, reclamando que o nosso segredo de justiça é incompatível com a sua exigência mediática. Eles vão pedir a sua revisão. Como irão pedir que passemos a falar melhor inglês, a circular pela esquerda e comecemos a comer peixe frito com batatas fritas. Ah esperem... mas isso já nós, allgarvios ou não, já vamos fazendo! Será que nos obrigarão, também, a ser monárquicos?

Agora que já se sabe tudo sobre a família, onde moram, como vivem, a sua religião, a opinião dos psicólogos, dos criminalistas, dos investigadores ingleses na reforma (que se deslocaram de popósito ao Algarve), a senhora do quiosque e o homem do talho... Só falta mesmo saber o paradeiro desta criança.
Acreditem que tudo isto passa a ser insignificante quando comparável com qualquer lágrima que tenha escorrido, nesta última semana, por uma das faces deste pequeno anjo.

quarta-feira, maio 09, 2007

Cala-te e escreve!


Eduardo Madeira, humorista e escritor.
A nível de espontaneidade é um mau humorista, os seus trocadilhos são muito básicos e regra geral, as suas intervenções são de tal forma non-sense que dificilmente sairiam da boca de uma criança de 5 anos. Na televisão, humor pior que o dele só naquele programa que o Aldo Lima fazia para a RTP. No stand up comedy não consegue manter uma postura credível, atrapalha-se, descontrola-se e não consegue parar de rir. E assim, por mais piada que tenha a “piada”, o resultado final nunca passa da mediocridade. E vale a pena falar dos “Cebola-Mol”?
Por outro lado, e surpreendentemente, escreve muito bem, é directo, coerente e certeiro nos textos que publica. Com algum humor e ironia lá vai dizendo umas verdades que alguns cronistas profissionais temeriam dizer – até podem dizê-las, mas só alguns é que entenderão e sinceramente, uma verdade subentendida vale quase tanto como uma mentira camuflada. Mas nada de confusões: a origem disto tudo está mais associada à escola "Produções Fictícias" do que aos textos do “Filme da Treta”. No entanto há por aí um livro de “estórias” por descobrir...
Felizmente um dos jornais com mais tiragem no nosso país percebeu isto a tempo e contratou-o. Há coisas, como as suas crónicas, que devem ser bem partilhadas.
Aqui está alguém que se pode aplicar a regra: perdoa-se os disparates que diz pelo bem que escreve.

segunda-feira, maio 07, 2007

Perspicaz




Orientação Fatal

Sir John Browne, (ex-)CEO da petrolífera BP, demitiu-se na semana passada, ou pelo menos, é (só) isto que tem vindo a ser noticiado nos jornais da especialidade. As verdadeiras razões desta demissão súbita – o Sr. Browne tinha anteriormente anunciado a sua saída da BP para Julho do corrente ano – provavelmente nunca iremos ficar a saber. Mas o que se sabe então?

Resumidamente: no ano passado um diário inglês noticiou um escândalo (quem diria!?) declarando que o “big boss” da BP terá usado meios financeiros, materiais e humanos da sua empresa para iniciar um pequeno negócio chefiado por Jeff Chevalier. Pareceu-me óbvio que tal notícia não merecia o destaque de primeira página dos tabloids ingleses se na altura daquela “falcatruazita”, Mr. Browne & Mr. Chevalier, não mantivessem uma relação afectiva e, já agora, se não tivesse sido o próprio Mr. Chevalier, depois de um “divórcio” pouco litigioso, a “dar com a língua nos dentes”. No fim de contas, a descoberta da orientação sexual do “chefão” da BP causou muito mais impacto nos meios de comunicação social do que propriamente a sua gestão negligente. Aliás, para os meios de comunicação social britânicos, para o conselho de administração da empresa, que até classificou os meios usados como “unfounded or insubstantive” e para o próprio juiz que tomou conta deste processo em tribunal. Pois parece que o único facto relevante que gerou mais dúvidas em todo o processo legal desencadeado por esta fraude, prendeu-se com o facto do Sir. Browne ter mentido, em audiência, no que diz respeito ao local onde o “casal” se encontrou pela primeira vez: ele disse que foi num parque, o ex-companheiro diz que foi num clube. E... ?!
Convém relembrar que este homem, comandou esta grande multinacional durante mais de 40 anos, deixou marcas incontornáveis e inovadoras na forma como incutiu o espírito de gestão extra-petróleo com preocupações humanistas e ambientais, tendo inclusive recebido um prémio da Greenpeace. As fusões com as companhias: Amoco, Arco e Castrol também foram lideradas por ele. Por outro lado também está associado, pela negativa, enquanto chefe executivo da empresa em questão, à explosão de uma refinaria no Texas que tirou a vida a 15 pessoas e mais recentemente a um grande desastre ambiental no Alaska, num dos campos de extracção de petróleo da BP. É importante referir que o seu lugar nunca foi posto em causa após a ocorrência de qualquer uma destas situações.
O conselho de administração da BP aceitou prontamente a sua demissão acrescentando: “a tragedy that he should be compelled by his sense of honor to resign in these painful circumstances". Pois… mas as “tragédias” aconteceram em 2006 e o “tempo de honra” há muito que passou. O que era mais difícil de deixar passar depois disto era um CEO gay ou melhor: um CEO gay-não-assumido-mas-agora-muuuuuito-conhecido.

A vida privada quando interfere na vida profissional pode ser prejudicial em muitas situações. Nesta foi fatal. E quando alguém diz que “ninguém tem nada a ver com isso”, em tempos de cusquice da vida alheia, da moralidade puritana e da desconfiança generalizada, parece que já está a querer passar o seu atestado de óbito profissional.

sexta-feira, maio 04, 2007

A fasquia

Já não bastava as palhaçadas do rei da ilha das bananas pequenas, Alberto João Jardim, o diploma do Sócrates e a polémica com a UnI, a bronca na CML, o cartaz do PNR, o vídeo da Elsa Raposo, o livro da Carolina Salgado, as escutas telefónicas envolvendo dirigentes desportivos e árbitros de futebol, as romarias organizadas para percorrer o Túnel do Marquês durante a sua inauguração, etc. , para considerar este 2007, um ano rico em tontices (por excelência) e ainda deparo-me com isto:

1. No dia 19 de Maio vai realizar-se, no Parque da Bela Vista, o Festival Creamfields. Supostamente um festival de música. No entanto a organização publicita agora um evento paralelo denominado “jantar no céu”. “Dinner In The Sky”, o nome original, consiste em um jantar numa mesa de 22 lugares suspensa a 50 metros do solo!
Uau! Dá vontade de perguntar: duh... nunca comeram num avião?

2. Vai realizar-se uma marcha em Lisboa e no Porto pela legalização da cannabis. A organização da marcha apela, no site oficial, para que as pessoas levem “roupa verde, tintas para o rosto - de preferência em tons de verde -, apitos de plástico, panos com slogans reivindicativos (mas não ofensivos), alegria, pequenas quantidades, djambés , pandeiretas”, entre outros “adereços”.
Oh god!

3. Recebido por e-mail e é uma notícia que circula já há alguns dias pela comunicação social:

“Apresenta aos domingos à tarde sintomas como: Taquicárdia; Aumento da tensão arterial; Tremores; Voz trémula; Falta de ar; Ruborização (corar); Náuseas; Diarreia; Mãos frias e suadas; Tensão muscular; Desconforto gastro-intestinal; Sudação excessiva (suar); Dificuldade de contacto a nível dos olhos?!
ENTÃO É PORQUE SENTE A FALTA DE PASSEAR DURANTE TODO O FIM DE SEMANA PELOS HIPERMERCADOS !!!COMBATA O SEU PROBLEMA APOIANDO A ABERTURA DOS HIPERMERCADOS 24H POR DIA!!!
Os hipermercados querem que o Governo altere a lei que os obriga a fechar aos domingos e feriados à tarde, classificando esta imposição como "discriminatória" e "anticoncorrencial". Nesse sentido, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) promove, a partir de hoje e até 20 de Maio, uma campanha de sensibilização, com recolha de assinaturas nos pontos de venda e na Internet contra a limitação de horários.”


Caramba, ainda nem chegamos a metade do ano! Na realidade, desde que organizaram (com sucesso) uma mega-feijoada sobre uma ponte, este país nunca mais foi o mesmo. O mais curioso é que parece haver entre algumas pessoas deste país uma acérrima disputa para tentar superar essa fasquia. A fasquia do ridículo e da parvoíce.

quinta-feira, maio 03, 2007

Declaração


A ideia de que o melhor rock tenha que ser tocado e/ou cantado por uma banda do sexo masculino e em inglês é um preconceito completamente ultrapassado. Poderia argumentar esta tentativa de desmistificação com vários exemplos retirados do já longo percurso da história deste estilo musical, mas vou limitar-me a fazer referência a uma das mais interessantes bandas do panorama musical actual.
As Electrelane formaram-se em 1998, em Brighton, Inglaterra. Em 2001 lançam “Rock it to the moon”, um disco de krautrock puro e duro. Um primeiro disco praticamente quase todo instrumental e, diria, face ao que fizeram posteriormente, experimental. “The power out”, o segundo disco, é o meu disco favorito destas senhoras. Juntam às guitarras e ao órgão, as letras em inglês, em alemão... e em espanhol! Rock mais directo e melódico. “On parade”, “Birds” e “Oh sombra!” são só três exemplos de clássicos instantâneos. “Axes”, de 2005, é também um disco magnífico e é uma espécie de “resumo da (melhor) matéria dada” nos dois discos anteriores. No verão do ano passado lançaram uma compilação com alguns b-sides, raridades, temas dos discos anteriores tocados ao vivo e a melhor versão de “I’m on fire” de Bruce Springsteen jamais feita.
Neste mês vão lançar “No shouts no calls”, o novo disco de originais. Outro disco quase perfeito com grandes canções rock. Talvez as mais “orelhudas” escritas por elas até hoje. Já é um dos discos deste ano.
Só falta mesmo anunciarem um concerto no nosso país. Ouvir os seus discos é uma experiência que me deixa extasiado, mas o que seria verdadeiramente fenomenal era vê-las a tocar ao vivo. Porque há determinadas coisas que não devem ser feitas à distância, como por exemplo uma declaração de amor. E eu preciso de lhes olhar nos olhos para dizer que as amo!

Os discos em questão estão à distância de um “save target as” neste directório.

quarta-feira, maio 02, 2007

Amor sem limites



Actualmente passa um filme na sala 6 do cinema Alvaláxia, em Lisboa, do qual ainda não tinha ouvido falar até ao momento que passei os olhos pelo folheto de distribuição gratuita dos cinemas Millenium. “Amor Sinistro” (Grimm Love, de Martin Weisz) teve uma estreia bastante discreta (só estreou nesta sala em Lisboa e em duas no Porto). Depois de o ver, de certa forma, entendi a razão. Trata-se de um filme perturbador e de difícil “digestão”.
Lembram-se daquele caso de canibalismo que chocou a Alemanha (e o resto do mundo), há poucos anos atrás, em que um homem colocou um anúncio na internet à procura de um outro homem para o comer (acrescento: literalmente)? Pois bem, “Amor Sinistro” baseia-se neste episódio macabro. Não é um filme de terror, ou pelo menos, e para desilusão de muitos fãs do gore que rumarão até aquela sala de cinema, não há cenas visivelmente muito chocantes ou aterrorizantes mas não deixa de ser um thriller muito tenso e psicologicamente agonizante. Tentar entender as razões pela qual uma pessoa desejaria tanto comer outra e, principalmente a predisposição desta a sujeitar-se a tal acto, deve ter sido o principal objectivo do argumentista de “Amor Sinistro”. Por isso incluiu no enredo uma estudante americana, com a missão de fazer uma tese sobre o caso. Do interesse à obsessão a distância vai ser muito curta. Ela acaba por acrescentar muito pouco à história (apesar do facto de ela assumir, no início do filme, as suas dificuldades em encontrar o seu próprio amor ser um dado muito curioso) mas vai ser através dela que vamos descobrir tais causas (como não poderia deixar de ser: lá teremos que regressar ao período de infância do canibal e da sua “vítima” para entender que estavam predestinados um para o outro) e é com ela que vamos ver (e sofrer com) o vídeo do acto de canibalismo filmado pelo seu perpetuador. Ela simbolicamente representará então o nosso lado mais voyeur e perverso. Sinceramente imaginar alguém a cortar, a cozinhar e posteriormente a comer um pénis não fará parte das minhas fantasias mais recônditas e muito menos incluiria tal acto como um ritual ou sacrifício de “amor” a seguir, mas penso que tenha alcançado a ideia geral do realizador deste estranho filme.