terça-feira, outubro 30, 2007

Diz que é uma espécie de “apartheid”, mas em “bom”


Há um recém-inaugurado Centro Comercial em S. João da Madeira que possui um parque de estacionamento muito peculiar. Para além dos habituais lugares reservados a pessoas com mobilidade condicionada, vulgo deficientes (motores, apesar de alguns “mentais” por vezes ocuparem-lhes esses espaços), a grávidas, para pessoas com crianças de colo, idosos, este C.C. nortenho reservou lugares para senhoras e para viaturas que tragam mais de duas pessoas! Tudo isso pode ser comprovado por esse placard que mostro no topo deste post ou in loco, nos próprios parques subterrâneos do C. C. 8ª Avenida em S. João da Madeira, com todas as corezinhas específicas a demarcar o piso dos respectivos lugares com reserva. Diz, quem já viu, que o piso dos parques parecem um autêntico arco íris.
O responsável deste espaço, José Duarte Glória, justifica a existência destes lugares especiais com questões de gentileza (um lugar de parqueamento feminino corresponde a um lugar e meio dos ditos normais) e de segurança (os lugares reservados são os que se encontram mais perto dos acessos à área comercial, evitando assim “longas” e “arriscadas” deslocações no parque). Ponderando um pouco sobre o caso, fico com sérias dúvidas perante a razoabilidade deste tipo de discriminação. Positiva, mas não deixa de ser discriminação. Esclareça-se que, nem eu, nem ninguém, por mais ou menos competente que seja a fazer manobras de estacionamento, recusaria a opção de poder estacionar o carro num espaço de 3 por 5 metros (mesmo que esteja pintado de cor-de-rosa-choque!), o problema aqui reside no facto de tal estar condicionado à utilização por pessoas com as mesmas capacidades que eu e todos os outros restantes condutores - que não possuem vagina – em que única particularidade diferencial é efectivamente possuírem uma vagina! A não ser que o senhor José Glória seja detentor de uma teoria que explique o contrário.
Assim sendo, fica demonstrado como um gesto aparentemente “gentil e simpático” pode também ser um atestado de “nabice” passado a todas as mulheres em geral, ou às clientes desta superfície comercial em especial, e uma carga de trabalhos para uns tantos outros clientes que vão ter para conseguir convencer alguém entrar no seu carro só para poder estacionar num lugar cativo e verdinho destinado a viaturas com um número mínimo exigível de passageiros.
Quem teve estas “brilhantes” ideias, para compensar o público masculino, mandou colocar uns manequins em poses “sensuais” do outro lado do vidro dos urinóis no WC público. E, certamente, não deixou de ponderar nas várias formas de controlar as regras de parqueamento, por tal, não deve faltar por lá uma brigada de inspectores incumbidos da tarefa de supervisionar o sexo e o número de passageiros que cada veículo trás.
Questionei uma amiga sobre o que achava do assunto e ela aprontou-se em resumir, numa frase, tudo o que eu estive para aqui a tentar explicar em tantas: “Isto parece o apartheid mas numa versão parola, tipicamente portuguesa”.

segunda-feira, outubro 29, 2007

O Tiago Dores nasceu para apresentar "Tesourinhos"


Para além deste e de outros bons momentos, os “gatos” fizeram a proeza de pôr o Vítor Espadinha a cantar pela segunda vez, na sua já longa carreira, uma música com uma letra gay. Desta vez, ele sabia ao que ia e até o seu nome misturado com o do César das Neves estavam lá humoristicamente, e muito bem diga-se, escarrapachados na letra. Da outra, tonto como aparenta ser, é bem provável que nem se tenha dado conta.

sexta-feira, outubro 26, 2007

A minha versão do "fazes-me falta"

Tenho amigos que passam a vida a mudar de país para país e mesmo assim nunca me parecem satisfeitos com a vida que têm. Estas legítimas migrações visam sobretudo alcançar melhores condições de vida, mas nem sempre as expectativas criadas em relação à sua nova morada corresponde ao que efectivamente esperavam. São desilusões atrás de desilusões, sem parar um pouco para pensar nas várias hipóteses e potencialidades que aquele local lhes poderá oferecer.

São opções e eu respeito-as. Mas sabem o que é mais me chateia no meio disto tudo? É que mesmo compreendendo as razões pela qual saíram de Portugal e desejando-lhes a maior das felicidades, não consigo deixar de pensar na falta que eles me fazem e que tal não me pareça recíproco. Ou sou eu que sou um pouco egoísta por achar que a nosso tipo relacionamento só é possível de se manter com uma presença física ou são eles que tem um conceito demasiado descartável de amizade.

Não, eu não sei se lhes faço falta! Acredito que sim, mas efectivamente não o sei. O que sei é o que me foi dito e ouvi. Ouvi-lhes as preocupações e lamentações no que diz respeito às condições que iriam encontrar por lá, ou se as "coisas" no supermercado seriam mais caras, ou se lhes podia tratar do IRS na sua ausência, ou se os filmes por lá eram dobrados ou tinham traduções e por aí a fora... Portanto pareceu-me que o valor da nossa amizade nunca chegou a ser um factor importante a ter em consideração quando um dia decidiram dar de “frosques”.

É verdade que as relações sólidas e autênticas podem continuar no tempo, mesmo quando a frequência com que vemos as pessoas não é assim tão grande. Não duvido dessa premissa, mas parece-me igualmente verdade que tendemos a apegar-nos mais às pessoas com quem passamos mais tempo, com quem partilhamos trivialidades, pequenos acontecimentos sem grande relevância, diluídos ao longo de um dia, mas que vão constituindo uma intimidade real.
A inevitabilidade de uma distância física se tornar em distância emocional também me parece um facto bem realista. Realisticamente duro de admitir.

quarta-feira, outubro 24, 2007

Os animais, de novo


Um artista da Costa Rica, Guillermo Habacuc Vargas, expôs um cão vadio faminto numa galeria de arte. O cão estava preso por uma corda curta como podem comprovar por algumas fotos publicadas aqui. Ninguém o alimentou ou deu água e ele acabou por morrer durante a exposição.

Depois disto, houve quem achasse uma grande ideia nomear este “artista” para representar o seu país na "Bienal Centro-americana Honduras 2008". Mas também houve quem não gostasse dessa ideia, não tenha ficado de braços cruzados (como grande parte da assistência daquela galeria) e tivesse a “audácia” de denunciar e criticar esta irreverente “expressão artística”, criando uma petição nesse sentido. Os primeiros chamaram hipócritas e burros aos segundos, porque não entenderam que o pobre do animal era vadio e representava a indiferença da sociedade geral face ao sofrimento e à humilhação dos outros. Os “revoltados”, provavelmente ainda contagiados por qualquer epidemia de bom senso, mantêm-se firmes nas suas posições e continuam a achar que nenhum ser humano tem o direito a submeter um animal a tais atrocidades. Incluindo os artistas, pois então.

Estou indeciso. Já assinei a petição mas se o senhor Guilhermo Abreocua-Vergas, ou lá como se chama, se comprometer a ir à tal Bienal e submeter-se ao mesmo tratamento que deu ao cachorro, não só cancelo a minha assinatura, como faço questão em visitar as Honduras no próximo ano. Irei á sua exposição, olhar para o “artista” em seu pleno momento de apoteose ou, diria antes, de desespero e exclamar bem alto, com o meu melhor ar de pseudo-arrogantó-intelectualóide: “Obra-Prima”!

terça-feira, outubro 23, 2007

O último tabu


Da tragédia do Darfour, ao diário emocionante de um seropositivo. Das vidas das meninas de rua de Cairo, às condições dos prisioneiros palestinianos nas prisões israelitas. Todos estes e mais alguns são temas interessantes que me poderiam levar a Lisboa a ver um documentário. No entanto, o único filme que ainda vi (e se a minha disponibilidade nos próximos dias não melhorar, diria antes, que irei ver) da edição deste ano do DocLisboa, chama-se “Zoo”. Por ser dos poucos documentários de exibição única, fiquei a pensar que tal deve-se ao facto de abordar um assunto pouco popular. Garantidamente será, pelo menos, muito incómodo.

Em Julho de 2005 é, anonimamente, deixado às portas do Hospital de Enumclaw, uma pequena cidade do estado de Washington nos Estados Unidos, um homem, com pouco mais de 40 anos, inanimado. Pouco tempo depois veio-se descobrir o seu nome (Kenneth Pinyan) e de que, para além de ser um chefe de família de Seattle (!), era um respeitado engenheiro da Boeing. Depois de uma intervenção cirúrgica, soube-se também que não conseguiu escapar com vida das intensas hemorragias internas provocadas pelo rompimento do cólon. A polícia foi chamada a intervir no caso e esta conseguiu descobrir com alguma facilidade não só a causa da morte, como também onde tudo aconteceu: uma quinta localizada nos arredores daquela cidade. Neste local foram apreendidas várias cassetes de vídeo que continham imagens de, entre outras pessoas, Pinyan a praticar sexo com cavalos. Foi não só o grande choque generalizado de uma pacata cidade mas de todo um país puritano e conservador, onde este tipo de episódios perversos já começa a fazer parte do quotidiano.
“Zoo” aborda esta história em várias perspectivas. Na perspectiva da investigação, dos “colegas” de Kenneth Pinyan que não se mostram mas que contribuem para a narração de algumas partes deste documentário e da própria instituição que recolheu os cavalos após a desmantelamento do grupo que Pinyan fazia parte. O “caso”, para além de todo o mediatismo que provocou, do choque e consequentes piadas que se fizeram – um dos instintos naturais do ser humano é encarar humoristicamente todos os assuntos que não compreende ou que lhe são desconfortáveis - nunca foi abordado de uma forma séria como o é neste filme/documentário. Aliás, não consigo dar outro exemplo de um filme onde a zoofilia seja focada tão seriamente. Séria e humanamente. Porque é isso que nos choca: um dos perpetuadores deste bizarro acto ser humano.
Em “Zoo” não há imagens chocantes (antes pelo o contrário, veja-se aquelas magníficas paisagens naturais de Enumclaw), há ideias chocantes! A Zoofilia é desmascarada como um dos últimos tabus do lado mais perverso da sexualidade humana. Ao fazer este documentário, o seu realizador não pede para a aceitar, mas de certa forma tenta pedir a nossa compeensão. Não é por acaso que “Zoo” tem o curioso subtítulo: “In the Forest There is a Every Kind of Bird” (“Na floresta há todo o tipo de aves”).

Não é mentira que a moralidade é um conceito muito subjectivo e que actos destes devem ser bem analisados, mas na minha opinião não se pode deixar de os condenar. Não nos devemos esquecer sobretudo que também há por aí “outro” animal no “jogo”. Mas a mais importante lição desta história deve ser retirada pela sua perversidade: há seres humanos (aparentemente) comuns que só conseguem retirar prazer das formas mais incomuns e bizarras possíveis (e até diria, impossíveis). E neste momento a internet é o meio essencial para que estas pessoas consigam se juntar - a identificação social é fundamental para qualquer fenómeno transgressor crescer - trocar ideias e formas de concretizar os seus actos. Aliás, como acontece, há muito mais tempo, com a pedofilia.

segunda-feira, outubro 22, 2007

A SIC não tem piada

A SIC não olha a meios para subir as audiências, nem que para isso mande fechar uma das maiores avenidas da capital e transforme-a num desfile pirosó-carnavalesco sempre que se comemore o aniversário desta estação. Salvo algumas reportagens e documentários, alguma inovação nas temáticas das telenovelas (aqui o mérito não é da estação de Carnaxide mas da respectiva produtora brasileira), algumas (poucas) séries de ficção americanas e pouco mais, este canal tem contribuído infimamente para melhorar o panorama qualitativo do que podemos ver hoje em dia sempre que ligamos o televisor.
As audiências nunca foram sinónimo de qualidade, mas o mais irónico de toda esta situação é que a programação que Francisco Penim gere até nem tem tido grandes audiências, ou pelo menos, as audiências que tanto desejaria. No entanto esta obsessão compulsiva por conseguir que mais duas dúzias de televisões se concentrem neste canal já fez vítimas. Não me refiro a todos os seres pensantes que conseguem manter os olhos por mais de 10 segundos na série de ficção nacional que costuma passar depois da novela brasileira e que automaticamente ficam com vontade de estoirar os miolos. Ou os dos próprios, ou os de quem a concretizou como projecto televisivo. Falo de Herman José.
O Herman, gostando-se ou não do que tem feito nos últimos tempos, nunca deixou de ser a única referência humorística válida da SIC. Ao contrário do que Penim pensará, o humor em televisão está a milhas de distância de ser a enésima variação de converter todas as anedotas já ouvidas na década passada, numa série de sketches atabalhoados. Bom, tudo isto para denunciar o que se pode ver, ou melhor, não ver, presentemente nos domingos à noite naquele canal: o “Hora H” passou de um horário indecente para um horário vergonhoso, e agora para o seu completo desaparecimento (consta que passará para um horário inédito mas já pouco surpreendente: a “madrugada” de sábado!). Para Herman (e a sua equipa), certamente, pior que esta, salvo a repetição, vergonhosa mudança de horários e de ter sido envolvido involuntariamente numa guerra de audiências que só por um milagre – ou alguma concebível forma de manter as pessoas acordadas e com vontade de rir fora de horas – sairia vitorioso, será a desrespeitosa forma como tudo foi feito. Um desrespeito por uma carreira profissional irrepreensível ao serviço da boa disposição e do melhor humor que a televisão já nos proporcionou. E para desculpabilizar esta falta de respeito, não há audiências ou qualquer outra razão mais ou menos rentável que a justifique.

sexta-feira, outubro 19, 2007

Más influências

Esta semana li um editorial no jornal Metro que achei, no mínimo, hilariante. Ao mesmo tempo que transcrevia para aqui algumas das palavras que o senhor Rui Pedro Batista escreveu naquela coluna, não consegui resistir em deixar alguns comentários.


O jantar estava a correr tão bem! Éramos oito. Quatro casais. Quatro eles e quatro elas. – É bom que se esclareça, não vá alguém ter dúvidas quanto ao tipo de amigos que frequentam a casa de um colaborador do jornal Metro. Devia ter facultado também a raça, fracção partidária e profissão de cada um deles - E a conversa tornava-se mais agradável à medida que as garrafas se esvaziavam. Tudo mudou quando chegou à altura de fazer o brinde. – O vinho azedou? A Mariazinha partiu o salto do sapato? O Bernardo recebeu uma chamada de uma amiga especial? - “À nossa, que fiquemos todos juntos durante mais uns anos”, atirei. Mas o João e a Carla não se reviram no meu pedido de renovação de votos e acabaram por revelar que estão a separar-se. – Ahhh! - (...) Ficamos embasbacados. O João e a Carla vão a caminho dos quarenta. - E? (...)
Iada iada iada conheceram-se no tempo do liceu, eram os dois muito pobrezinhos mas eram muito batalhadores e ... O amor saltava-lhes dos olhos. Apesar das dificuldades em compatibilizar agendas, conseguiram arranjar tempo para encomendar o primeiro filho. – A mulher comum planeia (ou não), engravida e dá à luz um filho. A mulher deste estrato social, compatibilizando com a sua agenda supê-preenchida, encomenda-o! “Ohfaxavore, era um loirinho de olhos azuis para as sete da tarde do primeiro dia de primavera.”
O João foi subindo a pulso. Há três meses passou a ostentar no cartão de visita o título de director-geral. De uma empresa grande e cheia de lucros. Daquelas em que todos gostavam de trabalhar. – Mas que só alguns têm possibilidades de entrar e, regra geral, por pouco mérito próprio, se me é permitido o acrescento - A Carla lançou um negócio de acessórios de moda. E já estava a abrir a segunda loja. Mudaram de casa, trocaram de carros. Quer dizer, trocaram os carros por verdadeiros carrões. E agora... assim. Não se entende. – Não entende exactamente o quê? Que é perfeitamente possível ter sucesso profissional sem viver maritalmente com alguém? - (...) Enquanto lá por casa se adormeciam as crianças, fiquei ali no canto da mesa agarrado ao vício da nicotina, a pensar na vida. O João e a Carla, (...) – Já pensava menos na vida dos outros, largava o vício e contribuía qualquer coisinha para as tarefas domésticas, não?
Construíram uma vida assente em dificuldades, em partilha e entrega quando tudo parecia remar contra o seu barco. Um dia a maré mudou. E a sensação que lhes percorre o corpo é que conseguiram subir um prédio. – Uh?! Pior copy/paste de sempre? (...) Mais uma cigarrilha. Acabo em definitivo o whisky. – Ah bom.
Pode ser uma fuga, pode ser uma falta imensa de energias renovadas. Pode ser simplesmente incapacidade em reinventar o que parece definitivamente morto. – Pode ser pura estupidez tentar descortinar as razões da separação de um casal.
Duas pessoas, dez anos a trabalhar, a lutar para ter uma vida melhor, a fazer tudo para ter alguma capacidade financeira e material... – Depois dão nisto: mais felizes e ricos que nunca, mas separados. O melhor é riscá-los da lista do próximo jantar, não vão ser eles uma má influência para os restantes casais do grupo de amigos. Da-se!

quarta-feira, outubro 17, 2007

Lamentável, meu caro Watson


O The Sunday Times sempre em busca de polémica e uma forma fácil de aumentar a sua tiragem, encontrou a sua solução maravilha para a edição do passado domingo numa entrevista a um nabo (prémio Nobel/senil) dos tempos em que a liberdade era um privilégio só de alguns. Dos "inteligentes", claro.
Isto também prova que a ciência pode até ser muito objectiva, mas que quem a pratica pode ser tão idiota quanto qualquer militante da Frente Nacional.

domingo, outubro 14, 2007

Baralhar e voltar a dar


Ser nacionalista não é crime, mas o tráfico de armas e drogas é, tal como o é ofender, espancar ou matar pessoas de outras raças, nacionalidades, etnias e orientações sexuais, ou profanar cemitérios judaicos. Não se baralhem senhores nacionalistas (ou diria antes, não queiram baralhar os outros?): em Portugal ninguém vai preso só porque se demonstra um amor desmesurado à pátria.

sexta-feira, outubro 12, 2007

Curb your enthusiasm (Calma, Larry) , Season 4, episódio 38


Jeff oferece a Larry alguns preservativos que possuem a característica especial de prolongar o prazer por muito mais tempo. “All night long”. Mas em contrapartida tais preservativos contêm uma substância anestesiante que quando usados impropriamente podem ter efeitos adversos. Dito e feito, Larry por pura distracção ou porque, como ele se defende, “estava escuro”, usa o preservativo ao avesso. Resultado, a sua esposa, Cheryl, começa a queixar-se logo após o acto de que ficou com a vagina adormecida.
Depois de saber que Cheryl não tinha melhorado, no dia seguinte, Larry decide desabafar com o seu jardineiro – não por acaso, já que ele é um índio, por sinal muito requisitado pelos seus conselhos curativos - com o curioso nome de Urso Deambulante, na esperança de que este lhe possa aconselhar qualquer remédio milagroso para o “pequeno” problema da mulher. O seu jardineiro medita uns segundos e receita-lhe uma erva qualquer... Et voilá! Cheryl aplica o tratamento e fica automaticamente boa.
Depois disto o Urso Deambulante cruza-se no jardim com ela e com a maior das inocências pergunta-lhe: “Então como está a sua vagina?”
Ela fica chocada mas ainda consegue arranjar forma de lhe responder baixinho e com poucas palavras: “A minha vagina... está melhor... obrigada.”
Não demorou muito tempo até Cheryl queixar-se do sucedido a Larry e este decidir interpelar o seu jardineiro:
- Hey Urso Deambulante, pode não ser uma grande ideia perguntar assim às mulheres dos outros como está a sua vagina... Bom eu não sei como é na cultura dos índios, mas por aqui não fica muito bem... Entende?
O outro responde-lhe de imediato com uma serenidade que lhe é característica:
- Se a sua esposa for a um médico branco, ele não só vai perguntar pela sua vagina como vai também querer vê-la e tocá-la!

terça-feira, outubro 09, 2007

A competição

Ontem passei os olhos por uma notícia que muito me surpreendeu. A espionagem electrónica com o objectivo de denunciar infidelidades está a aumentar disparatadamente. Os advogados especialistas e os detectives privados são unânimes em dizer que tudo é válido para provar a traição do(a) parceiro(a) do(a) cliente. As provas electrónicas são cada vez mais utilizadas em processos de divórcio e que são os próprios cônjuges desconfiados que praticam a violação de correspondência electrónica, quer nos telemóveis quer nos computadores. Um detective dá o exemplo de um sistema de “artilhação” do telemóvel que fica sob vigilância integral num outro telemóvel, em tempo real, sem que o seu dono sequer desconfie.
Ora, indo directa e imediatamente ao cerne desta questão, falemos de sexo, ou melhor, das nossas ligações sexuais. No passado, definíamos a fidelidade como a promessa de nos ligarmos sexualmente a uma pessoa e mais nenhuma. Hoje em dia e no futuro, com a mudança de mentalidades, com o aparecimento de novos tipos de relacionamento, com casamentos mais liberais, em que as ligações sexuais podem ser efectivamente mais abertas e indefinidas, o que significará, no fim de contas, a infidelidade? A diferença significativa é que em vez de a fidelidade sexual ser a marca identificadora de uma relação, um dado adquirido como no passado, nas relações do futuro teremos que ter a liberdade de escolher o que queremos o que ela signifique. Ou seja, pode significar o que sempre significou: a opção de ter relações sexuais com um só parceiro; mas também pode significar a lealdade emocional mas tendo a coragem para assumir outras ligações sexuais com outros parceiros, e não só com a pessoa com quem se escolheu para viver. Os defensores acérrimos da monogamia sexual estarão neste momento a tentar arranjar argumentos para demonstrar que esta hipótese só nos tornaria sexualmente mais irresponsáveis. Eu pergunto: e já não o somos actualmente? Pelo que se lê nos jornais, dizem os advogados e detectives, o nosso vizinho do lado e a senhora da quiosque, a resposta é sim, só que, e este é o pormenor importantíssimo desta questão, não admitimos! Fala-se em irresponsabilidade e dá-me a parecer que ela esteja mais associada a relacionamentos tradicionais muito pouco transparentes, cheios de desconfianças, que enchem os bolsos dos advogados e detectives particulares e acabam em disputas e litígios num tribunal, do que a um relacionamento mais liberal, mas assumido e partilhado honestamente entre os seus dois elementos.
Com isto tudo não quero eu dizer que ache, por exemplo, o “swing” a “cena” mais excitante dos últimos tempos ou que não deixará de ser uma forma encapotada e hipócrita de não assumir as limitações de um modelo de casamento à beira de ruptura, mas digo, por outro lado, que é de louvar todos os relacionamentos onde ainda há sinceridade, respeito e confiança mútua, independentemente do tipo de ligação sexual que tenha sido acordada conscientemente entre o casal.
Se por um lado continuo a acreditar na monogamia, por outro não sou do tipo de pessoa que veja com muita facilidade a face de Jesus Cristo numa torrada. Sou só realista ao ponto de começar a entender melhor as necessidades básicas do ser humano e um crítico da forma camuflada como hoje em dia as colocam em prática.
Um casamento que supostamente deveria ser, entre outras coisas, a oficialização de um relacionamento amoroso, para além do jogo de aparências que já é, passa a ser também uma espécie de competição de fidelidade entre dois seres, que, supostamente e acima de tudo, deviam querer-se bem.

segunda-feira, outubro 08, 2007

A Britney morreu

Uma destas noites sonhei com a Britney Spears. Ao contrário do que supostamente seria natural, não foi um sonho bonito. Sonhei com a notícia de que ela se tinha suicidado. O meu subconsciente assim ditou o fim de um dos maiores ícones pop do início do corrente século. No fundo, tal seria só o ponto final (e trágico) de uma vida de excessos ultra mediatizada. Com algumas ameaças pelo meio.
Casa com um fedelho da pior espécie, comete umas loucuras, tem dois filhos, engorda, divorcia-se, junta-se a “más companhias”, comete outras loucuras, rapa o cabelo, perde o direito de conduzir por fazê-lo alcoolizada e levar um dos filhos, consigo, no banco da frente, perde a custódia dos filhos, Entretanto a pressão para que ela edite qualquer coisa aumenta. Ela manda cá para fora o melhor que pode e depois de tudo o que já lhe ouvimos sair daquela boca, até mete dó vê-la a suplicar por mais (gimme more) agarrada a um varão. Como se não houvesse alternativas, como se aquilo fosse o seu último meio de sobrevivência. E às tantas é mesmo.

quinta-feira, outubro 04, 2007

“Querida, estou com o período!”

Duas das características que mais admiro nas pessoas que partilham em plenitude a sua vida com alguém é a sua total capacidade de entrega e continua disponibilidade. Eu não consigo porque tenho uma espécie de “períodos”. Sem menstruação! Só os sintomas, portanto.
Períodos curtos ou longos, podem ir de uma hora a mais de uma semana. São momentos em que fico completamente impaciente e pouco sensível a tudo o que me rodeia - incluindo de quem mais gosto - e que passo da melhor para a pior companhia possível. Tudo poderia ser uma questão de tolerância ou capacidade de sacrifício da outra parte se eu até não me importasse de de ser uma má companhia. Mas importa-me! Nessas circunstâncias prefiro estar longe. Tenho consciência de que ninguém, por todos os outros períodos que também tenha, merece suportar a minha casmurrice. Pode ser mau feitio ou pode ser só o lado negativo da rotina e do contacto consecutivo diário: por tornarmo-nos demasiado íntimos, considerarmo-nos mutuamente garantidos.
Por isso aprovo a salvaguarda do nosso próprio espaço, para recorrer em situações de emergência, como esta. Uma espécie de retiro total: espiritual e, sobretudo, físico.

quarta-feira, outubro 03, 2007

A sinceridade é uma faca de dois gumes

Pede-se sempre a verdade tendo consciência da vulnerabilidade da outra pessoa. Porque não sou só eu que corro riscos ao dizer a verdade; quem a escuta também é vulnerável. O que para mim é difícil de exprimir também pode ser, para alguém, ainda mais doloroso de ouvir.

terça-feira, outubro 02, 2007

Eu querooo uma raqueta caça-mosquitos da Dêmaili!

Estou extasiado: acabei de receber o catálogo Outono 2007 das lojas D-Mail! Quem não conhece, e antes de começar em pensar ir buscar a faca para fazer um corte latitudinal nos seus pulsos, deve primeiro questionar-se: mas o que são as “lojas D-Mail”? Pergunta errada, contraponho eu. Não interessa saber o que é, mas antes o que vendem. Vendem coisas. Coisas, tal como elas se autopromovem, com “ideias úteis e originais”! Seguem-se alguns exemplos:
“Cinturão porta-moedas” ou...
uma peça da colecção "arrumador-de-carros Outono/Inverno 2008".
“Os humanos usam cinto de segurança no carro... e os cães não usam porquê?”
Porque são cães?

Uma “ovelhinha avisadora de chamadas” para telemóveis:
Sim, porque aqueles miseráveis dos filandeses ainda estão a muitos anos de inventar aparelhos que apitam!

É um rádio? É um auxiliar de audição? É um auricular?...
Não, é uma “luz que se fixa à orelha”!

Viva o luxo: um “tapete persa para o rato do computador”,
para combinar com o napperon da impressora!


Última grande novidade de segurança para sua casa: uma “tranca para a porta”!
Depois sai e entra pela janela.