quinta-feira, julho 31, 2008

Desilusão


"(...) a maioria das mulheres, acima dos 40 anos, desejam ser possuídas por uma força sobrenatural, enquanto outras ficam excitadas com a ideia de cobrar pelo acto."
Esperava tudo menos que a fantasia típica das quarentonas 'tugas fosse um poltergeist com uma nota de vinte euros no bolso. Mas ok.

quarta-feira, julho 30, 2008

Certo, certo e certo, siga!


segunda-feira, julho 28, 2008

Vrrrrummm...

Numa pequena reportagem sobre uma concentração de adeptos do tuning exibida ontem pela hora de almoço no "Jornal da Tarde" da RTP1, enquanto um dos organizadores transmitia a mensagem de que a modificação de carros não é sinónimo de street racing, passavam as imagens de um carro a puxar ao extremo pelo seu relanti, consequente arranque veloz e um peão quase perfeito. Das duas uma: ou há mesmo uma fronteira muito ténue entre estas duas modalidades/hobbies ou a RTP tem tanto sentido de oportunidade como os carros destes gajos têm de peças originais.

A solidão também necessita de identificação

Há duas formas de solidão, não há? Há a solidão do isolamento absoluto, o facto de viver fisicamente só, de trabalhar só, como eu sempre fiz. Não é necessariamente doloroso. Para muitos escritores é essencial. Outros precisam de um grupo doméstico de servidores femininos para lhes dactilografar os malditos livros e lhes manter os egos bem insuflados. Estar sozinho a maior parte do dia significa que estamos a escutar ritmos diferentes, ritmos que não são determinados pelas outras pessoas. Penso que é melhor assim. Mas há outro tipo de solidão que é terrível de suportar – Fez uma pausa. – É a solidão daqueles que vêem um mundo diferente do das outras pessoas. As suas vidas nunca se tocam. Tu consegues ver o abismo e elas não. Tu vives entre elas. Elas caminham sobre a terra. Tu caminhas sobre vidro. Elas encontram segurança na conformidade, em similitudes cuidadosamente construídas. E tu mascaras-te, consciente da tua absoluta diferença. Foi por isso que eu vivi sempre nos bares, les lieux de drague. Simplesmente para estar entre aqueles que são como eu.

“A sombra de Foucault”, de Patricia Duncker (Gradiva)

sexta-feira, julho 25, 2008

Presente!

Este deve ser o único blogue 'tuga que não aparece nos resultados de uma pesquisa no google, caso coloquemos as palavras "quinta da fonte" ou "mário crespo". Longe de mim querer ser um outsider - posso reconsiderar esta posição se a renda da minha casa descer 99%:

(...) Neste país, tão cheio de dificuldades para quem tem rendimentos declarados, dinheiro público não pode continuar a ser desviado para sustentar predadores profissionais dos fundos constituídos em boa fé para atender a situações excepcionais de carência. A culpa não é só de quem usufrui desses dinheiros. A principal responsabilidade destes desvios cai sobre os oportunismos políticos que à custa destas bizarras benesses, compraram votos de Norte a Sul. É inexplicável num país de economias domésticas esfrangalhadas por uma Euribor com freio nos dentes que há famílias que pagam "quatro ou cinco Euros de renda" à câmara de Loures e no fim do mês recebem o rendimento social de inserção que, se habilmente requerido por um grupo familiar de cinco ou seis pessoas, atinge quantias muito acima do ordenado mínimo. É inaceitável que estes beneficiários de tudo e mais alguma coisa ainda querem que os seus T2 e T3 a "quatro ou cinco euros mensais" lhes sejam dados em zonas "onde não haja pretos". Não é o sistema em Portugal que marginaliza comunidades. O sistema é que se tem vindo a alhear da realidade e da decência e agora é confrontado por elas em plena rua com manifestações de índole intoleravelmente racista e saraivadas de balas de grande calibre disparadas com impunidade. (...)
(Mário Crespo @ JN)

quinta-feira, julho 24, 2008

Acho que vou criar um blogue só com estas coisinhas





quarta-feira, julho 23, 2008

Há diferenças anatómicas universais que sempre foram difíceis de digerir por alguns. Sim, no fundo, no fundo é tudo uma questão de tamanho de pilas.

E Tu e Eu o que é que vamos fazer? Talvez ouvir o novo disco dos The Walkmen.

Os autores da melhor canção rock da última década regressam este ano com mais um disco de originais. Depois de algumas audições diria que ainda existem muitos bons motivos para acreditar nestes rapazes. “In the new year” e "On the water", por exemplo, soa-me ao melhor que fizeram no passado. Mas até pode estar numa simples balada (“Red Moon”) a nossa rendição…

terça-feira, julho 22, 2008

Entretanto no maravilhoso mundo das compras on-line...




domingo, julho 20, 2008

O dilema do homem incompleto

Acordei com o berreiro de duas crianças que estariam a pouco mais de cinco metros da minha toalha. Resmunguei baixinho e virei-me. Não conseguindo voltar a adormecer, acabei por levantar parte do meu corpo pesado pela sonolência e deixei ficar-me ali sentado a observar as pessoas que caminhavam ao longo da praia e as gaivotas que faziam grandes razias às pequenas ondas que se formavam ao longo da costa. Ali mesmo ao lado permaneciam as duas crianças que se preparavam para o banho enquanto um adulto tentava proteger as suas peles pálidas com protector solar. Terminada essa acção e após a autorização do homem que as acompanhava, aqueles dois pirralhos deram início a um verdadeiro sprint até ao mar. O adulto, bem mais lentamente, acaba por os seguir. Reparo que olha fixamente para mim a meio do seu percurso. Encaro tal gesto como um sinal de penitência face ao espalhafato sonoro que os imberbes causaram no local. Pego no jornal e volto a deitar-me. Vou esfolhando-o ao sabor/por força do ligeiro vento que se ia sentindo naquela tarde de Julho. Passam vários minutos e sou surpreendido com alguém que me aborda: “Tem um cigarro?” – era o homem que acompanhava as crianças. Não tinha, mas percebo pela continuação da conversa que aquela pergunta tinha sido um mero pretexto de interpelação. Fico a saber que aquele trintão, que acabou por se sentar a poucos metros de mim, é o pai dos putos, que mora a mais de 40 Km daquela praia mas que por amor a ela despende mais dinheiro em gasóleo e portagens do que se preterisse uma outra da sua zona, que está ligado profissionalmente à área da comunicação social, que é divorciado desde Abril passado e... que é bissexual. E não fumava. Tudo isto dito sem interrogações da minha parte. Mas a conversa era muito civilizada e acabou por se tornar interessante, nomeadamente, sempre que se aprofundava determinado assunto. E aí também tornei-me mais participativo. Ao mesmo tempo que vigiava os seus filhos, que se encontravam à beira-mar, ele intervinha animadamente no nosso “debate”. Estou perante um homem culto e muito educado. Mesmo quando o assunto abordava facetas mais intimistas ele, surpreendentemente, não descia o seu nível de vocabulário. “Esta deve ser a única praia onde vejo mulheres sozinhas... Parecem mais livres aqui que noutro local qualquer... E ao mesmo tempo muito desejáveis“. Continua, “Sempre estive uma atracção semelhante por homens e mulheres. Sempre fui sincero nos meus relacionamentos e por tal nunca poderia esconder os meus desejos da minha esposa. E vivemos assim muito felizes mais de treze anos. O facto de ela ser uma pessoa magnífica, belíssima e inteligente também ajudou, claro.” Nesta altura ele ainda desconhecia que partilhávamos ideias e teorias muito semelhantes sobre alguns assuntos específicos. Depois disso, a conversa acabou por fluir ainda melhor, pois senti-o (ainda) mais à vontade. “Precisamos de nos libertar dos preconceitos e ideias pré-concebidas que esta sociedade conservadora nos impinge para nos tornarmos mais puros em relação à nossa existência - e sobretudo em relação à nossa sexualidade - e eu acredito que sempre estive no melhor caminho. Tenho plena consciência de que não é fácil e por isso não condeno quem não consiga dar os passos certos, quer seja por falta de coragem, quer seja por ignorância. Não posso é deixar de condenar quem opte pelo facilitismo de uma vida dupla, encoberta pela farsa e falso pudor. A mentira mata, sabias pá?” O “pá” não diria melhor.
Quase todo o seu desabafo não me sai da memória: “E o meu maior dilema sempre foi, é e será nunca poder amar integralmente uma mulher sem desejar simultaneamente estar com um homem, ou nunca conseguir ser plenamente fiel a um homem sem pensar em ter nos meus braços um corpo de uma mulher... Os meios-termos não me agradam. Acho que nunca irei deixar de ser este homem incompleto e eternamente insatisfeito que sou hoje.” Foi só esta frase que fez desviar os seus pequenos olhos dos meus em direcção ao mar.
Há muito tempo que não tinha um final de tarde de praia tão primoroso e cativante. De facto, não há gasóleo, portagens e quilómetros que paguem estes pequenos grandes prazeres da vida.

sexta-feira, julho 18, 2008

Vá lá façam-me esse jeitinho, fazem?

Finalmente "alguém" fala, por cá, do filme/documentário que ganhou dois dos principais prémios no Festival Sundance deste ano. Agora só falta que, por cá (novamente), mais “alguém” o compre e distribua.
Acredito, mesmo assim, que seria mais fácil "alguém" atravessar o espaço aéreo das duas torres do WTC, através de um arame, que fazer tal proeza.

Copy/Paste do dia


(...) A campanha actual não é perfeita, mas é melhor do que nada. Querer destruí-la em nome de uma dúbia melhor gestão de dinheiros públicos é caso para desconfiar, na generalidade – porque o discurso reactivo das prioridades é muitas vezes um convite à inacção encapotado de tecnocracia – e na especialidade – porque o sexo tolda a razão. Nada tenho contra mais acções junto de prostitutas e de toxicómanos, esclarecimentos sobre os riscos relativos do sexo anal e do sexo vaginal, etc., mas este novo revisionismo de que, afinal, o HIV é mesmo um problema só dos outros tresanda ao pior dos anos 80. Numa altura em que, no mundo ocidental, a SIDA deixou de ser mortal para passar a doença crónica e em que se perdeu o pânico da pandemia mas sem que o número de novos casos em Portugal entre heterossexuais, homossexuais, trabalhadores do sexo e toxicómanos tenha diminuído, verificando-se mesmo uma tendência evolutiva crescente na percentagem de novos casos por transmissão heterossexual, a obsessão em querer deixar o problema do HIV num ghetto de muros baixíssimos e de perseguir miragens do politicamente correcto em matérias que envolvam sexo é um divertimento infantil para gente dos 40 (João Miranda) aos 80 (Patrícia Lança) anos. Felizmente, eles só ainda vão fazendo com o seu tempo o que ainda não podem fazer com o nosso dinheiro. Deitá-lo “ao lixo”.



Não consigo entender as críticas à nova campanha da Coordenação Nacional para a infecção VIH/Sida. Acho-a, face a recentes estatísticas de novos contágios, até muito pertinente e inteligente. Ao contrário do que se diz: não generaliza-se, alerta-se! Agora se isso incomoda assim tanto pode ser mais um problema de (má) consciência que outra coisa. Por outro lado, se não querem uns cornos, não lhes ponham umas asas.

quarta-feira, julho 16, 2008

Just say something


Ok, é uma opção.

segunda-feira, julho 14, 2008

Abanar antes de usar

Alguém me relatou recentemente, no messenger, como a sua heterossexualidade foi colocada em causa uma única vez.
Terá sido, numa noite, ao sair de um bar quando preparava-se para entrar no carro, tendo decidido aliviar-se fisiologicamente de alguma cerveja previamente consumida. Naquele grande parque de estacionamento descoberto e pouco iluminado qualquer canto pareceu-lhe adequado para o efeito. Já em pleno acto de puro alívio é que se apercebeu que aproximava alguém que estaria prestes a fazer o mesmo. Não se surpreendeu com o facto do outro ter iniciado uma conversa banal, mas o mesmo já não terá acontecido quando ele lhe terá lançado o repto (sempre com um sorriso nos lábios): “Queres que abane a tua?”. Ainda sentiu qualquer coisa a endurecer entre a mão – consta que inicialmente colocou a hipótese de ter sido uma amena brisa nocturna que lhe tenha estimulado as “partes baixas” - mas logo se aprontou a recolher o “embaraço” e recusar o desafio do outro: “Pá obrigadinho, mas não é preciso...”. Entrou no carro nervoso, mas intrigado. Daí o seu desabafo.
O dito popular “Onde mija um português, mijam dois ou três!” revela-se, aqui, afinal com uma certa carga eroticó-perversa que me escapava de todo.
Eu sempre defendi que esta história das orientações sexuais “chapa cinco” é uma enorme treta mas não posso deixar de ficar de boca aberta com tanto desembaraço, por uma das partes e com tão pouca auto-segurança, pela outra. E o melhor é fechá-la já, não vá despertar o desejo de mais algum predador de indecisos que esteja por perto e me faça mais uma dessas propostas surpreendentes.

sexta-feira, julho 11, 2008

08 temas pop para '08

BMX - War
Para dançar até à exaustão. Muito Junior Senior, muito básico, muito pop, muito bom.

Cut Copy - Hearts on Fire
Os Cut Copy lançaram o melhor que se pode ouvir nesta matéria este ano. Isto é só um pequeno exemplo.

Lykke Li - Let if fall
Esta voz frágil mas muito segura substitui qualquer compilação de Chill Out do mercado. À atenção dos respectivos DJ’s de bares com boas esplanadas e boas vistas.

NERD - Laugh about it & You Know What
"Os NERD já não fazem discos como antigamente". Mas as duas últimas faixas deste novo disco fizeram-me mudar radicalmente de ideias. (não há links disponíveis)

Robyn - Should Have Known
Nova heroína da pop. Ela não canta o “Who’s that girl?” por mero acaso.

Santogold - L.E.S. Artistes
Entre uma Lilly Allen mais versátil ou uma M.I.A. mais pop, venho eu e escolho as duas.

Tricky – Veronica
A segunda melhor faixa do novo disco de Tricky é viciante e (quase) faz esquecer a pobreza do resto do alinhamento. (também não há link para ninguém! :( )

quinta-feira, julho 10, 2008

A Ministra diz e é verdade: Matemática é fácil


quarta-feira, julho 09, 2008

Afinal: (por cá) metamorfoses destas há muitas, pá!

Continuemos no plano da ilusão… Suponhamos que uma colectividade cultural do municipio de Alcobaça pedia um pequeno subsídio à C.M.A. para organizar um evento com bandas da localidade e aquela recusaria (ou limitar-se-ia a dar um certo apoio logístico) justificando-o com a “falta de verbas no orçamento” – o mesmo orçamento que terá previsto gastar 180.000 euros num truque de magia? Certamente que um espectáculo metamorfósico será algo mais abrangente e popular que um festival de bandas amadoras, mas no entanto um autarca pode-se dar ao luxo de usar - e abusar de - o dinheiro da autarquia apostando em projectos megalómanos, em detrimento de outros menos carismáticos (ou mais alternativos), sem se aborrecer em ter que arranjar bons argumentos?

terça-feira, julho 08, 2008

Zagora, Marrakech (II)

Os únicos inconvenientes de passar uma ou mais noites num deserto marroquino é não ter as mínimas condições de higiene asseguradas – de todos os locais deste país, é aqui que mais se sente falta desse bem escasso que é a água – e as tempestades de areia.
Quanto ao primeiro, o ideal é transformarmos automaticamente em berberes assim que entramos em Zagora, pois se é para mantermos um certo comodismo mais vale nem sair das imediações do confortável hotel de Marraquexe ou Casablanca.
O segundo pormenor é bem mais assustador, se tal parecer querer súbita e brutalmente arrastar-nos, junto com a nossa tenda, para bem longe dali. A outra hipótese, não menos boa, é ficarmos soterrados por uma areia fina mas mortal.
Tudo o resto é, obviamente, excepcional.

segunda-feira, julho 07, 2008

Zagora, Marrakech





quinta-feira, julho 03, 2008

A Galp já não rouba, insulta a nossa inteligência

(Clicar para ampliar - dois talões comprovativos da compra de duas botijas, compradas no mesmo local, antes e depois da alteração da taxa do IVA com o mesmo preço final)

O de Paulo Teixeira Pinto também é mais ou menos assim


Pode-se dizer que ganhou com uma enorme diferença (horária) face à concorrência

O nosso melhor programa de divulgação cultural passa uma vez por semana às 2 da manhã. Mais hora menos hora - depende sempre se há um especial "Fascínios" ou d' "A outra".

quarta-feira, julho 02, 2008

Polamordeus!

Poliamor é um tipo de relação em que cada pessoa tem a liberdade de manter mais do que um relacionamento ao mesmo tempo. Não segue a monogamia como modelo de felicidade, o que não implica, porém, a promiscuidade. Não se trata de procurar obsessivamente novas relações pelo facto de ter essa possibilidade sempre em aberto, mas sim de viver naturalmente tendo essa liberdade em mente. (...)
O Poliamor aceita como facto evidente que todas as pessoas têm sentimentos em relação a outras que as rodeiam. E que isto não põe necessariamente em causa sentimentos ou relações anteriores. Aliás, o ciúme não tem lugar neste tipo de relação. Primeiro porque nenhuma relação está posta em causa pela mera existência de outra, mas sim pela sua própria capacidade de se manter ou não. Segundo, porque a principal causa do ciúme, a insegurança, é praticamente eliminada, já que a abertura é total. Não havendo consequências restritivas para um comportamento, deixa de haver razão para esconder seja o que for. Cada pessoa tem o domínio total da situação, e a liberdade para fazer escolhas a qualquer momento.

Portanto estamos perante um tipo de relacionamento que se aprogoa mais livre que todos os outros, em que não há lugar a ciumeiras e inseguranças e por aí a fora... Diz que é o futuro das relações no século XXI. Ora bem, enquanto não me transformo em robot, ainda vou a tempo de levantar algumas questões (muito básicas).

1. Com todas as vantagens apresentadas – que se podem resumir ao facto de não haver cornudos nestas relações – e de quererem afastar-se dos estereótipos conventuais, a maioria dos poliamorosos (“tradicionalmente”) casa-se exactamente porquê?
2. Este grupo associou-se a um movimento LGBT num desfile no passado sábado em Lisboa. O movimento LGBT passou a ser o último reduto onde cabe todo o tipo de "sexualidades alternativas"? Alguém me ilumine e faça ver as semelhanças porque eu só vejo diferenças. Sobretudo em questões discriminatórias, práticas e realistas: eu (infelizmente) ainda continuo a viver numa sociedade em que um gajo que assuma publicamente a sua homossexualidade nunca deixará de ser, para a maioria, um grandessíssimo rabeta - vá lá no melhor dos casos, um maricas* - enquanto se trocar de parceira frequentemente, o pior que lhe pode acontecer é apanhar uma doença venérea - mas nunca deixará de ser apreciado, socialmente, como um enorme garanhão.
3. E há inconvenientes? Ou o único problema do poliamor é saber, terminada a “confusão”, a quem pertence um determinado polichinelo?
4. E a pergunta final que se impõe será: as pessoas que se cansam de uma relação poliamorosa, ficarão polisaturadas?


*Como a mãe de um bailarino de renome disse ontem, em prime time, numa reportagem da RTP1. Estaria receosa que fosse esse o destino do seu primoroso filho quando aquele optou por enveredar por tal temida e “socialmente apaneleirada” carreira. Mas não, para seu abismal agrado, o filho apaixonou-se por uma colega de profissão. Haleluja!
Um desgosto pode ser como a estupidez: insuperável.