terça-feira, dezembro 30, 2008

Uma imagem para 2008


Foi preciso dois robots revelarem-nos a insignificância das novas tecnologias - que supostamente nos mantém virtualmente em contacto uns com os outros, mas mais que não fazem do que nos afastar do mundo (real) - face ao contacto directo de um simples toque entre mãos. Uma metáfora cinematográfica que espelha a mais pura das verdades: estamos mais evoluídos, mas nunca estivemos tão longe daquelas “mãos dadas”, que Wall-E adorava ver, sempre que punha a funcionar a sua velhinha cassete de VHS de “Hello, Dolly!”.

Temos mais e melhores meios que nos aproximam uns dos outros. No entanto, limitamo-nos a usá-los para tranquilizar a nossa consciência face a qualquer compromisso que tentamos manter com os outros. Um dia quando percebermos que o envio de um SMS ou mesmo uma chamada "a marcar o ponto", está muito longe de ser uma demonstração de afecto válida, pode já ser tarde demais.
Até lá, vamos continuando a fingir que somos máquinas.

segunda-feira, dezembro 29, 2008

And here we go again

sexta-feira, dezembro 19, 2008

O que fazer com os nossos animais: rentabilizamo-los ou desprezamo-los?

O mundo da venda de animais domésticos trilha-se por caminhos muito nebulosos. Desconheço a legislação em vigor mas parece-me obvio que, tratando-se de um contrato comercial, seja obrigatório a emissão de um documento que oficialize a venda. Resta saber, dos inúmeros cachorros e gatinhos que se vendem diariamente por , quantas facturas são emitidas? O nosso estado fará ideia do valor desta suposta fonte de rendimento que lhe escapa pelos escorregadios dedos da sua “eficaz” mão tributária?
Se vejo, também por , criadores a vender ninhadas de 10 cães a mais de 500 euros por animal, é só fazer bem as contas e perceber o quão rentáveis podem ser estes “negócios animalescos” de luxo.
......................................................................................................................
Em contraste, num outro mundo (completamente à parte), o dos canis municipais e outros centros e associações de recolha de animais abandonados vive-se na extrema miséria. Falta tudo: condições em geral, espaço, comida, medicamentos e sobretudo uma companhia humana. Sempre na eminência de um triste final: o abate. Quem conhece bem este mundo sabe o esforço que algum voluntariado faz para constantemente salvar vidas desse cruel destino.
Seguindo esta premissa, deixo aqui uma recomendação para um original presente natalício. Em vez de se perder tempo e paciência nos grandes aglomerados comerciais que nesta época ficam mais concorridos que nunca, porque não fazer um pequeno desvio e passar pelo canil/gatil mais próximo e adoptar um animal para oferecer alguém que precise de uma boa companhia e tenha boas condições para o manter? Seria um presente financeiramente imbatível e faria, garantidamente, dois seres vivos muito felizes.
Foi exactamente isso que fiz. Este cruzado de Dogue Alemão passará já este Natal num lar que lhe dará todo o carinho que um animal merece. Bem longe da rua e de um incerto futuro.

quarta-feira, dezembro 17, 2008

Medo da vida


Um padre durante uma longa conversa com um prisioneiro revoltado diz-lhe isto:
You're afraid of life.

Fome” (Steve McQueen) é um filme duríssimo. Faz-nos recuar aos inícios dos anos 80 e relata-nos a história de um grupo de prisioneiros do IRA que protestam contra o facto de não lhes atribuírem o estatuto de presos políticos. Recusam-se a tomar banho, a vestirem as fardas e já no final do filme iniciam uma greve de fome, que acaba por ser fatal para alguns deles.
A primeira ideia que me veio à memória durante a sua visualização chegou em forma de livro: “Se isto é um homem” de Primo Levi. Ambos revelam o que acontece quando o corpo e a mente são levados ao limite. O limite da degradação da condição humana. No filme, por vontade própria; no livro, pela infelicidade de não se ter nascido de “raça pura”.

Quando as nossas inquestionáveis crenças destroem a capacidade de pensar, realisticamente, sobre as consequências das nossas acções, não admira que – é aqui que entra a teoria do Padre - tenhamos mais medo da vida, do que da morte.

segunda-feira, dezembro 15, 2008

Bushtrix


A propósito disto, claro.

domingo, dezembro 14, 2008

Boas ideias

inspirado em:
O Manoel de Oliveira se quiser pode entrar por uma multiópticas a dentro, com uma mochila, e enfardar óculos lá para dentro à vontade... então é "desconto igual a idade". E para o ano ainda lhe dão troco.
@ Os Contemporâneos

quarta-feira, dezembro 10, 2008

'Bute lá fazer uma revoluçãozinha

Bi the Way é um interessante olhar documental sobre a bissexualidade. A bissexualidade nos tempos que correm, nos Estados Unidos, para ser mais preciso. As duas realizadoras, Brittany Blockman/Josephine Decker, viajaram pela América com o intuito de recolher uma série de depoimentos de gente (mais ou menos) anónima e de alguns especialistas. Para que no fim tentamos perceber se o assunto é mesmo só uma moda efémera de uma “whatever generation” ou já um reflexo de uma mudança de mentalidades. Com este documentário não se espere muitas respostas concretas, mas só pelo facto de partir do princípio de que não há uma sexualidade única e homogénea, já vale bem a pena o tempo dispendido com ele. Uma revolução sexual que passa pela libertação de velhos e caducos dogmas é sempre bem vinda. Mesmo que esta tenha em Lindsay Lohan ou num beijo de duas popstars como imagens simbólicas? Sim, creio que sim.

Um dos mais curiosos feedbacks a este documentário apareceu há alguns meses atrás num artigo do New York Times. O filme acaba por ser um mero pretexto para que o jornalista introduza uma série de estudos sobre o tema. Há um especial destaque dado ao que as mulheres heterossexuais pensam disto tudo. Ou melhor, que “desejam” disto tudo. Por exemplo, a Dra. Meredith Chivers, investigadora do Center for Addiction and Mental Health da Universidade de Toronto conclui:

Heterosexual women were no more excited by athletic naked men doing yoga or tossing stones into the ocean than they were by the control footage: long pans of the snowcapped Himalayas. When straight women viewed a video of a naked woman doing calisthenics, on the other hand, their blood flow increased significantly.
What really matters to women at least in the somewhat artificial setting of watching movies while intimately hooked up to a device called a photoplethysmograph, is not the gender of the actor, but the degree of sensuality. Even more than the naked exercisers, they were aroused by videos of masturbation, and more still by graphic videos of couples making love. Women with women, men with men, men with women: it did not seem to matter much to her female subjects.
“Women physically don’t seem to differentiate between genders in their sex responses, at least heterosexual women don’t,”(…) “For heterosexual women, gender didn’t matter. They responded to the level of activity.”


Mais à frente ela confirma a ideia, também com base em mais estudos, de que os homens que se consideram bissexuais acabam por ter sempre uma certa inclinação para alguém do seu próprio sexo. E depois regressa às mulheres ou para ser mais correcto, às mulheres heterossexuais, sublinhando que as suas atracções funcionam de uma forma muito diferente. Ou pelo menos não funcionam de uma forma muito linear.
Um outro estudo, neste caso, de Lisa M. Diamond, da Universidade do Utah, também confirmou tal facto.

Straight and gay men, as well as lesbians, were more predictably aroused by images of their preferred sex.

O infortúnio de um país pode muito bem começar durante a partilha de um pastel de feijão

segunda-feira, dezembro 08, 2008

O que pode sair do cruzamento de um humorista marciano e uma locutora de rádio que passa parte dos seus dias a flagelar concorrentes numa cave?

Não sei, mas é esperar mais uns meses para saber. Que seja saudável, sobretudo. Então, muitos parabéns aos pais: Markl + Galvão.

O natal é... descomplicar.

sábado, dezembro 06, 2008

8 dos melhores filmes de 2008 estreiam em Portugal lá para 2012, isto se houver vaga ou o mundo não acabar entretanto

Se este mundo fosse perfeito, em vez das estopadas em forma de fitas cinematográficas que estreiam semanalmente por cá, já tinhamos tido o prazer de ver:

Man on Wire (James Marsh)
Milk (Gus Van Sant)
The Wrestler (Darren Aronofsky)
Mister Lonely (Harmony Korine)
Slumdog Millionaire (Danny Boyle)
Bi the Way (Brittany Blockman/Josephine Decker) *
Vicky Cristina Barcelona (Woody Allen)
The Last Mistress (Catherine Breillat)

*Este aqui, já visto por esse "imenso" público que tem possibilidades de ir assistir a uma sessão ao fim da tarde num festival gay e lésbico em Lisboa, merece um post só para ele. É aguardar.

quarta-feira, dezembro 03, 2008

Pormenores


Em continuação do post anterior chamo a atenção desta reportagem para o facto da Mafalda continuar mais bela que nunca e um dos senhores criminosos usar o passa-montanhas ao avesso.

A Mafalda Gameiro é a minha heroína do século XXI















Mais uma vez a jornalista Mafalda Gameiro (“Em reportagem”, RTP1) conseguiu fazer uma daquelas proezas que a nossa polícia afadiga-se para conseguir: uma entevista exclusiva com dois membros de um gangue especialista em tráfico de armas. Até consegue mais. Obriga-os a confessar todos os crimes virados para a parede. Assim mesmo, de castigo.

terça-feira, dezembro 02, 2008

Quando, na realidade, não se sente falta de "alguém" mas de "algo"



Um dos melhores diálogos do primeiro episódio da segunda temporada de Dexter surge, curiosamente, entre a irmã (Debra) e a namorada (Rita) do nosso herói. Num bar, ambas desabafam sobre os seus miseráveis passados: Rita e o seu ex-marido violento... Deb e o seu ex-namorado serial killer.

Rita: "Paul was so horrible to me, but sometimes... and don't tell Dexter... I find myself missing the good parts of him."
Deb: "It's not him that you miss, 'cause what he had to offer wasn't real. The way he made you feel about yourself? That was real."