quinta-feira, fevereiro 28, 2013

O homem que morreu duas vezes

"Today I'm gonna tell a story of a man drowned in a cold water of ocean after he lost his love. This is a story of man who died twice."


Apesar de tudo, um paraíso?



O lado menos negativo de ler certas notícias nos jornais e revistas é perceber que, APESAR DE TUDO, parece que ainda vivo num país que, comparado com outros, é um autêntico paraíso.
O que é que preferiam? Viver num país que vos impõe um tipo de corte de cabelo, um modo de vestir e que vos pune desumanamente ou, num em que, por exemplo, os seus ex-primeiros-ministros depois de (des)governarem mudam logo de país e, de lá mais tarde, vêm dizer que a culpa de tanto desgoverno é inteiramente desse país?












Não foi por acaso que apresentei três exemplos mais extremistas, pois a questão é mesmo tentar perceber se abdicariam de alguma das vossas liberdades individuais perante todas as promessas de uma justiça eficaz, de segurança absoluta e de prosperidade económica de um qualquer regime totalitário.
Não foi por acaso que apresentei três exemplos mais extremistas, pois a questão é mesmo tentar perceber se abdicariam de alguma das vossas liberdades individuais perante todas as promessas de uma justiça eficaz, de segurança absoluta e de prosperidade económica de um qualquer regime totalitário. - See more at: http://forum.autohoje.com/off-topic/116500-apesar-de-tudo-vivemos-num-paraiso.html#sthash.am2BhFPs.dpuf
Não foi por acaso que apresentei três exemplos mais extremistas, pois a questão é mesmo tentar perceber se abdicariam de alguma das vossas liberdades individuais perante todas as promessas de uma justiça eficaz, de segurança absoluta e de prosperidade económica de um qualquer regime totalitário. - See more at: http://forum.autohoje.com/off-topic/116500-apesar-de-tudo-vivemos-num-paraiso.html#sthash.am2BhFPs.dpuf
Não foi por acaso que apresentei três exemplos mais extremistas, pois a questão é mesmo tentar perceber se abdicariam de alguma das vossas liberdades individuais perante todas as promessas de uma justiça eficaz, de segurança absoluta e de prosperidade económica de um qualquer regime totalitário. - See more at: http://forum.autohoje.com/off-topic/116500-apesar-de-tudo-vivemos-num-paraiso.html#sthash.am2BhFPs.dpuf
Não foi por acaso que apresentei três exemplos mais extremistas, pois a questão é mesmo tentar perceber se abdicariam de alguma das vossas liberdades individuais perante todas as promessas de uma justiça eficaz, de segurança absoluta e de prosperidade económica de um qualquer regime totalitário. - See more at: http://forum.autohoje.com/off-topic/116500-apesar-de-tudo-vivemos-num-paraiso.html#sthash.am2BhFPs.dpuf
Não foi por acaso que apresentei três exemplos mais extremistas, pois a questão é mesmo tentar perceber se abdicariam de alguma das vossas liberdades individuais perante todas as promessas de uma justiça eficaz, de segurança absoluta e de prosperidade económica de um qualquer regime totalitário. - See more at: http://forum.autohoje.com/off-topic/116500-apesar-de-tudo-vivemos-num-paraiso.html#sthash.am2BhFPs.dpuf

quarta-feira, fevereiro 27, 2013

Ideia


sábado, fevereiro 23, 2013

Quem ri por último


quarta-feira, fevereiro 20, 2013

Delicious


sexta-feira, fevereiro 15, 2013

Bitches!

(@ capa da edição de hoje do i)

terça-feira, fevereiro 12, 2013

Como um batimento cardíaco


domingo, fevereiro 10, 2013

De repente fui atingido. É a escuridão da madrugada.


O outro lado da mentira






Pode ser possível que um adolescente seja dado como desaparecido no Texas (EUA) e, três anos mais tarde, seja encontrado, desorientado, dentro de uma cabine telefónica, em Linares, no sul de Espanha? Claro que sim. Pelo menos no início, todos acreditaram nessa possibilidade. Só que, efectivamente, este foi só mais um caso protagonizado por um dos maiores “ladrões” de identidades do território europeu: Frédéric Bourdin.

No entanto o assunto-chave deste interessantíssimo documentário/thriller não é tanto entender esse comportamento camaleónico de alguém que se esconde dentro de identidades de jovens desaparecidos. O que torna a história de “The Imposter” algo verdadeiramente inquietante, é descortinar a razão que leva uma família americana a acolher e a defender, como seu filho, um estranho com poucas semelhanças físicas com o seu verdadeiro descendente e quando o próprio FBI, alertando-os, classificou ("o outro") como um sujeito potencialmente perigoso.

sexta-feira, fevereiro 08, 2013

A minha às vezes até ressona


domingo, fevereiro 03, 2013

Só um mês?