segunda-feira, junho 25, 2012

Uma verdade e uma mentira

(...) É engraçado como à medida que o tempo passa as pessoas se vão acostumando às mudanças, até às mais assustadoras; como até o inimaginável se pode tornar manobrável. 

(...) Temos de mentir a nós próprios para vivermos dentro da morte, ou então morreremos dentro do que nos sobrou da vida.

Dança de Família, David Leavitt

quinta-feira, junho 21, 2012

Estamos bem representados

Dois "bola de ouro" e um "político de chumbo":

quarta-feira, junho 20, 2012

DIIVinal

segunda-feira, junho 18, 2012

Os jogadores da selecção reagem tardiamente, os adeptos festejam a vitória no Euro em antecipação

Mas há alguma coisa que este país faça no tempo certo?

sexta-feira, junho 15, 2012

Assbook

segunda-feira, junho 11, 2012

Calma, isso com a prática vai lá!

sexta-feira, junho 08, 2012

Se isto não é arte...

Nos arredores de Porto Salvo (Oeiras), em pleno Tagus Park e num complexo de edifícios inacabados, descobri mais um autêntico “laboratório do graffiti”. Não fica muito distante de um outro local com características semelhantes e também já visitado com alguns amigos: a antiga Fábrica do Cabos d’ Ávila.
Só que surpreendentemente, desta vez, como poderão ver por esta amostra de fotos de débil qualidade, há algo mais que a concentração de bons graffitis. Para além de haver um interessante relacionamento entre muitos deles, neste recôndito lugar faz-se uma autêntica homenagem à cultura universal.


quarta-feira, junho 06, 2012

:o

Não era "Impulse", portanto

domingo, junho 03, 2012

R.I.P. Teen Horror Movies


Quanto menos se souber sobre este filme, melhor ele poderá ser. Portanto, a história de “The Cabin in the Woods” começa com a aventura de cinco amigos que vão passar uns dias numa “cabana” perdida no meio de uma floresta... E fico-me por aqui.

O resto podia ser o que se espera de qualquer “teen horror movie” americano, mas não é. Acrescenta-se algumas surpresas e a história muda radicalmente de rumo ao ritmo do (respectivo) twist. Nada de novo, porque, mais que não seja, não há sequela de filme deste género que não desconstrua o seu original. Só que este filme vai um pouco mais longe e tem ainda outra vertente (não inédita mas, talvez, seja aquela que melhor funciona ao longo do filme): o humor. Daqui sou assombrado pelo verdadeiro pesadelo que se chama: “Scary Movie” e as suas infinitas sequelas, mas rapidamente vejo a luz, porque, na verdade, este “The Cabin in the Woods”, para além de chegar a ter mesmo piada, tem boas ideias. Uma delas surge mesmo no final, quando percebemos qual a verdadeira intenção dos argumentistas Joss Whedon e Drew Goddard (“Lost”, “Nome de Código: Cloverfield”, “A Vingadora”, etc): enterrar um género cinematográfico que já está mais que “morto”.

Todos os limitados clichés da maioria dos filmes de terror norte-americanos já mereciam um filme (acima da sua altura) que os satirizasse e os subvertesse, mas só que com alguns buracos no argumento e outras tantas cenas previsíveis, fica-se na dúvida se o objectivo desta obra é, na verdade, um ajuste de contas ou uma homenagem. A não ser que sejam erros e limitações intencionais para que a sátira seja completa. Pois, se assim for, chegou a vez de eu lhe tirar o meu chapéu.

sexta-feira, junho 01, 2012

Como é que se escolhe


entre isto


e isto?


Não se escolhe – são, talvez, duas das mais importantes bandas da actualidade, que por acaso até editaram dois dos melhores discos de 2012. Não é uma escolha difícil, é uma escolha impossível.
Mas resta-me desejar boa sorte, para quem tiver que a fazer, de hoje a 8 dias, no Parque da Cidade no Porto (Primavera Sound).