segunda-feira, setembro 19, 2005

A ditadura do relativismo


A extrema-direita sempre existiu e se manifestou no nosso país, seja através de inexpressivos partidos ou associações, seja através de actos isolados tomados a cargo pelos “cabeças rapadas” ou por outras personagens menos indiscretas e menos mediáticas. No entanto, o que os destingue na actualidade é que se tornaram mais activos e, consequentemente, mais visíveis. Neste momento, e ao contrário do que acontecia há 20 anos atrás, dão a cara e mostram orgulhosamente os seus slogans. De certa forma, os seus objectivos primários estão a ser cumpridos e esta mediatização já ninguém lhes tira.

Se não houvesse nada mais criticável na sua luta, poder-nos-íamos limitar a hipocrisia da forma como ela é demonstrada. Vejamos o caso, da sua última manifestação realizada, ontem, no Parque Eduardo VII em Lisboa. Uma manifestação contra a cada vez maior visibilidade dos gays na sociedade actual e um tal “lobby gay”, mais especificamente junto dos meios de comunicação social (como se tal, de certa forma, pudesse converter toda a gente – nomeadamente as crianças, pois pelas palavras de ordem e respectivos cartazes, são elas a razão de todas as suas preocupações neste momento; é caso para perguntar: também servirão de justificação para o ataque que alguns desses senhores efectuaram no dia de 10 de Junho de 1995 no Bairro Alto que vitimou um imigrante cabo verdiano? - ao “homossexualismo”. E como travam tal digna batalha? Com visibilidade e mediatismo, pois então.

A estratégia é, aparentemente, simples mas pode ser perigosamente eficaz. Pega-se em diversos temas, uns amplamente condenáveis e de cariz popular outros nem tanto, mas todos no mínimo polémicos, tudo que irá “contra esta sistemática e intencional destruição dos valores e imposição da ditadura do relativismo”, mistura-se tudo e tenta-se estabelecer uma relação entre eles de forma a causar qualquer impacto junto das pessoas, nem que seja a perplexidade pela sua capacidade de imaginação. Utiliza-se o chavão da “insegurança nas nossas ruas e nas nossas praias” culpabilizando as minorias étnicas e a nossa política liberalista de imigração, usa-se o muito discutível tema da “adopção de crianças por casais homossexuais” e, como não podia deixar de ser, a pedofilia (sim? Dizem que cerca de 80% dos homossexuais são pedófilos, mesmo que depois não o consigam comprovar para além de um “li na internet”, como respondeu um dos manifestantes entrevistados num dos noticiários da SIC) para atacar os homossexuais em todas as frentes. Estes são só dois exemplos, mais se seguirão, pois irão continuar a usar quaisquer outros assuntos que sirvam de mote para restabelecer a ordem, não a nossa, a deles e dos seus ideais. Mesmo que tais palavras de ordem façam tudo, menos qualquer sentido.

Nada disto seria mais estúpido, nada disto seria mais assustador se não estivéssemos num país com uma larga percentagem de analfabetismo, moderadamente conservador, mediaticamente influenciável e pior do que tudo isto: com memória curta.

2 Comments:

Blogger Renato said...

Olá, amigo! Meu nome é Renato e passei casualmente pra dar uma olhada no seu blog (sou marinheiro de primeira viagem como blogueiro!)

Até parece que estamos vivendo num mesmo país, não é? Aqui no Brasil isso tudo que relataste não é diferente! A nossa mídia trabalha com essas questões de relativismo tal qual tu abordas neste teu comentário! Ou seja, nada se aprofunda, se pesquisa, tudo se mistura e se joga para a grande parte analfabeta da nossa população! E da-lhe alienação, dá-lhe Big Brother e Campeonato Brasileiro! Pena que quem poderia dar um jeito nesta situação mostrou-se ostensivamente corrupto e hipócrita quanto a carcomida classe abastada que nada quer mudar!

Acho que deveríamos ter pego as coisas boas que vocês tem!!!

Abraço e se cuide!

Renato

3:06 da manhã  
Blogger agent said...

Sim, Renato, temos algumas coisas boas para "pegar" mas parece que vocês só "pegaram" as coisas más (usando os seus exemplos: hipócrisia e corrupção). Afinal de contas, somos um país irmão mais "cizentão" mas com os mesmos defeitos e virtudes. Como se diz por cá: "quem sai aos seus não degenera". ;)

Felicidades para a sua banda e receba um forte abraço daqui, do outro lado do oceano.

12:27 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home