quinta-feira, agosto 02, 2012

De “Quem quiser comer o meu cu, fica com lombriga no pinto” a Francis Bacon


O nome do segundo disco dos Bonde do Rolê, a segunda banda mais internacional do Brasil dos dias de hoje (a primeira só podia ser os Cansei de Ser Sexy,?), não podia ser mais explícito: "Tropicalbacanal".
O disco é uma autêntica orgia de influências e de participações, cruzadas com a habitual irresponsabilidade, provocação e muito humor (“Oh Kanye(ê) cadê você, vem-me comer... Esse menino americano, feito gringo, chega aqui, me vira o pinto e me enche de prazer...”).
Baile funk, pop, rock , hip-hop, reggae, axé e punk. Como convidados temos à nossa disposição desde a cantora jamaicana Ce'Cile à banda punk australiana The Death Seth, passando pelo mestre Caetano Veloso ou pelo rapper Kool A.D. (Das Racist)! Tudo isto muito modernamente remisturado (por pouco que não escrevia “lubrificado”) por Diplo. O resultado é, no mínimo, curioso, mas também, como qualquer bacanal, tem momentos em que se transforma numa enorme bagunça.
Uma boa oportunidade para revisitar Francis Bacon: “a verdade surge mais facilmente do erro do que da confusão”. Infelizmente "Tropical/Bacanal" não é o “erro” que eu ansiava, mas calculo que também ainda não seja a tal “confusão” que os Bonde do Rolê desejaram.


 

1 Comments:

Blogger O Puto said...

A bem dizer, são bem mais interessantes que os/as CSS.

10:42 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home