quinta-feira, maio 16, 2013

Never ending story

Dois parques de descanso desactivados na região de Viseu - um confrontado com o outro - cortam a paisagem de um dos troços do IP5 que sobreviveu à sua conversão em Auto-estrada das Beiras (A25) e que estabelece uma ligação em linha continua do litoral (Aveiro) à fronteira com Espanha (Vilar Formoso).

Enquanto que os troços remanescentes daquela que, atendendo ao grau de sinistralidade, chegou a ser considerada a estrada mais perigosa de Portugal e a 3ª a nível mundial, voltam a ser cada vez mais utilizados (sobretudo desde que foi decretado o início de cobrança de portagens na A25), já as respectivas áreas de descanso parecem continuar esquecidas ou, diria, até invisíveis aos olhos de quem por ali passa. A natureza tomou conta do local e tem dado o seu contributo para essa invisibilidade. Actualmente falta pouco para que deixemos de ver vestígios de civilização por ali.

O que a natureza não consegue camuflar são as memórias, pois estas devem continuar bem vivas nos pensamentos de quem frequentou em tempos este local. Nomeadamente os protagonistas dos vários episódios de excessos e hostilidades: de um lado, os engates entre homens (que toda a gente fez questão em catalogar e em confundir com uma orientação sexual – o Presidente da Câmara de Viseu da altura, entre outros, foi ainda mais longe), os utilizadores de um espaço público para práticas, digamos, mais privadas e por vezes obsessivas, ao ponto de invadir a privacidade de outros utilizadores que paravam naquele parque para os fins que ele foi efectivamente construído; do outro, os incomodados e os indignados com a situação provocada pelos primeiros e que inspirados pelo espírito salazarista, ao que consta ainda muito presente para aquelas bandas, e respectivas práticas dos bons costumes, decidiram sobrepor-se a qualquer força de ordem e segurança pública e organizaram uma milícia popular, com o intuito de varrer os “paneleiros” daquele local.
Do confronto, a comunicação social relatou que não foi coisa bonita de se ver num país supostamente civilizado. Muitos estragos materiais e, ainda mais, humanos.

Por isso, repito, podem mandar colocar vedações ou subir muros, podem deixar que a vegetação cubra totalmente o espaço, até podem mandar tudo abaixo, pois continuará haver, por mais uns bons anos, quem nunca esqueça aqueles parques de descanso e o que outrora ali aconteceu.

“Never ending story”, como tão bem resume aquele graffiti que encontrei numa daquelas paredes em ruínas. Parece mesmo não ter fim e solução à vista essa relação conflituosa entre a consciência dos limites da nossa sexualidade e o respeito e tolerância perante a (sexualidade) dos outros.

Contudo tenho sobre isto, pelo menos, uma certeza: pode haver uma ou mais formas de resolver os conflitos, mas sei que “construir cercas” à volta deles não é uma delas.

vis1 photo vis1_zps9a192cfc.jpg

vis2 photo vis2_zps2510246e.jpg

 photo vis3_zps252ebe97.jpg

 photo vis4_zpsf8938453.jpg

 photo vis5_zps8ea9c728.jpg

 photo vis6_zpsbbe13904.jpg

 photo vis7_zps1ce0f644.jpg

 photo vis8_zps143e6233.jpg

 photo vis9_zpsc7e051b7.jpg

 photo vis10_zps9665d3fa.jpg

 photo vis11_zps8e8dc667.jpg

 photo vis12_zps480e2450.jpg

 photo vis13_zps8147d1c5.jpg

 photo vis14_zpscfd1aa92.jpg

 photo vis15_zps50f98650.jpg

 photo vis16_zps20df7848.jpg

 photo vis17_zpsb58c330b.jpg

 photo vis18_zps20e009a5.jpg

 photo vis18a_zps864cfac3.jpg

 photo vis19_zps79051243.jpg

vis20 photo vis20_zps38e8d11a.jpg

 photo vis21_zps1d974855.jpg

 photo vis22_zpsf39e8d34.jpg

 photo vis23_zps372936c8.jpg

 photo vis24_zpscf944f9d.jpg

 photo vis25_zps74d441ab.jpg

 photo vis26_zps6f71c25c.jpg

 photo vis27_zpsb0b5c0c7.jpg

 photo vis28_zps592253fa.jpg

 photo vis29_zps4dc3f98e.jpg

 photo vis30_zps29052b56.jpg

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home