sábado, agosto 10, 2013

No campo, como se fosse pela primeira vez



Não diria que sejam subvalorizados, mas certamente incompreendidos. De album para album, nota-se uma certa hostilidade, por parte, tanto da crítica como dos fãs (sobretudo) do disco anterior, perante a transformação, o inesperado novo som da banda. E desta vez não vai ser diferente.

Tudo começou praticamente há 13 anos. Com o épico “Felt Mountain”, os Goldfrapp trouxeram todo um novo conceito melódico, cinematográfico e orquestral ao trip hop. Mas três anos mais tarde, quando toda a gente esperava (e desejava) uma continuação da viagem poética ao mundo do downtempo, eles lançam “Black Cherry”, um surpreendente e sensual disco de electropop.  Foi (quase) o fim do mundo, pelo menos para eles. Depois continuaram a investir no pop (“Supernature”), talvez não tão puramente comercial como hoje o conhecemos. Em 2008, novo album, novo som. É com “Seventh Tree” que a banda passeia alegremente pelos atalhos da folk mais electrónica. Mais acústica agora, com este novo e magnífico “Tales Of Us”, que em momentos recorda-me os ambientes pastorais do “Out of Season” de Beth Gibbons - mas atenção que pelo meio houve ainda mais pop dançável, com o contagiante “Head First” (2010). Uma banda em permanente mutação/renovação.

Enfim, todas estas palavras acabam por se tornar irrelevantes, quando é de música magistral e de uma voz assombrosa de que se fala.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home