sábado, janeiro 09, 2010

A excepção


Era óbvio que os oito deputados do PS iriam aproveitar a liberdade de voto facultada e votassem a favor da proposta de legalização do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo onde se incluía a adopção. Proposta esta que o nosso Partido Comunista decidiu abster-se, mesmo que ela até fosse da autoria dos seus "compadres ecológicos" (Verdes) e "radicais" (Bloco). Há certas questões demasiado fracturantes para qual o "nim" é a melhor resposta de escape e toda a gente reconhece o peso de um certo conservadorismo do PC. Na mesma medida que terá havido alguns deputados do PS a espernearem por não poder votar contra a proposta que acabou por ser aprovada. Oh, mas havia a disciplina de voto! Enfim, não há grandes novidades por aqui.
Também houve duas deputadas (independentes mas eleitas nas listas do PS) de um suposto Movimento que se define pelo "Humanismo e Democracia" mas que votaram contra uma proposta "humanamente" igualitária; aparentemente isto pode não fazer muito sentido mas não é surpreendente: é só o outro lado da "democracia".
A surpresa da votação de ontem tem um nome: José Eduardo Martins. Este deputado do PSD votou favoravelmente na proposta que incluía a adopção. Um acto de coragem transformado em ruptura total face à linha de pensamento (supostamente) imposta pelo facciosismo de um partido. Ou a prova de que afinal, onde menos se espera, há vida própria e ideias imparciais.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home