domingo, dezembro 23, 2012

A realidade segue dentro de momentos





“Holy Motors” começa com alguém (o próprio realizador, Leos Carax) a levantar-se de uma cama (um sono quase eterno de 13 anos, depois da sua última longa: “Pola X”?) e a dirigir-se para o espaço ao lado: uma sala de cinema repleta de espectadores completamente imóveis. O que vêm eles? Algo parecido com o que se segue?
Há um homem que ao longo do seu dia de trabalho, desempenha vários e ambíguos papéis (a pedinte, a personagem de “motion capture” (3D?), o assassino que recria a vítima à sua imagem, o amante melodramático, o pai de família que vai buscar a sua filha com problemas de auto-estima a uma festa, ...) sempre transportado numa luxuosa limousine e a sua respectiva motorista. Cada papel poderá ter aqui a sua própria interpretação da realidade ou das novas formas de fazer cinema. Para isso Leos tanto recorre a imagens do quotidiano como do burlesco - num cemitério, durante uma sessão fotográfica, a personagem interpretada pela bela Eva Mendes é raptada por um pequeno “monstro-lunático” que a leva para o seu esconderijo subterrâneo e onde a “obriga” a desfilar com uma burka improvisada e a servir de almofada, quando ele decide descansar todo nu e de pénis erecto... Mas guardem um bocadinho dessa estupefacção para a cena final.
Um filme estranho e único, com várias cenas belíssimas e inesqueciveis, em que uma delas é puramente musical:

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home