sexta-feira, janeiro 16, 2015

O Melhor de 2014 - Cinema - "Force Majeure"




Uma quase-tragédia desencadeia uma série de questões no seio de uma família aparentemente equilibrada. Até esse momento vivia-se pacatamente umas férias de neve e uma relação mais ou menos controlada. Até ao momento em que o casal é confrontado com esse súbito descontrolo – como uma avalanche -  e, ao depararem-se com os instintos de sobrevivência da sua cara-metade, surgem as divergências, as desconfianças e as inseguranças.
Mais do que realçar as diferenças entre sexos em situação de crise/acidente, o realizador sueco Ruben Östlund manobrou com mestria, neste seu “Force Majeure”, as suas duas principais personagens no sentido de demonstrar que qualquer uma delas (ou qualquer um de nós) pode ser vítima dos seus próprios instintos. Será por isso que todas as personagens deste filme (e os seus telespectadores), quase no final, são levados para dentro de um autocarro, que vai circulando, desastrosamente, à beira do abismo. É o derradeiro teste aos instintos primários de todos ou, talvez, para que questionemo-nos de quanto eles (os instintos) devem ser representativos daquilo que realmente somos.
Para reforçar o ambiente gélido e angustiante vivido dentro de portas, no quarto da estância de ski, Östlund mostra também imagens do exterior (excelente fotografia – é uma das razões que faz com que nunca nos queixemos de um certo abuso dos planos fixos), ao som dos pungentes violinos de “Le Quattro Stagioni, L'Estate” de Vivaldi.
Um filme incrível e um retrato inteligentíssimo da mente humana. De longe, o melhor que vi da colheita de 2014... (E sim, eu também vi todas as propostas “indie” americanas: Boyhood, Birdman, The Grand Budapest Hotel, etc.)

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home