sexta-feira, agosto 19, 2005

O amor é fodido

O amor entre dois homens pode ser das coisas mais belas e raras deste mundo mas pode ser também das coisas mais destrutivas que por aí há, nomeadamente quando não há sintonia e algum consenso.

Um conhecido meu (o Zé) engatou um gajo na cidade universitária e iludido, apaixonou-se. Ainda mantiveram uma relação mais ou menos estável durante 2 meses. Entretanto, parece que o outro rapaz se foi afastando gradualmente e a relação degradou-se. Encontrei-o há dias, completamente abatido, sob o efeito de antidepressivos (receitados por um médico) e fisica e psicológicamente desgastado. O Zé nem é, aparentemente, um rapaz muito dado a sentimentos mais profundos, pelo menos é essa a imagem que tenta passar aos que lhe rodeiam. Mantém aquela postura de rapaz muito forte, independente e imune a estas partidas do coração. Encontro-o neste estado e eu, desprevenido, fico (quase) sem saber o que lhe dizer. Que conselho se dá uma pessoa neste estado, nestas condições? Qual é a melhor forma de explicar a alguém que não se deve tentar governar aquilo que é ingovernável... como o amor de outrém?
O Zé sofre em silêncio pois são muito poucos os amigos com quem partilhou a sua orientação sexual (como se isso fosse algo obrigatoriamente “partilhável”), mas até os outros e familiares já se vão apercebendo da sua angústia.

Penso que ainda pior que todo este seu transtorno físico e psicológico actual causado por este desgosto amoroso, serão as suas respectivas consequências: deixar de acreditar... Ou seja, pior que um presente depressivo e desorientado será sempre um futuro sem esperanças.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

´´O amor é fodido ``

É fácil dar conselhos , dificil é acreditar no amor entre dois homens, já passei por dois desgostos de amor e não é por se andar no engate ou não que se corre esse risco ; eu nunca andei e já sofri por duas vezes . Tenho 39 anos e não ando á procura de nada mas não perco a esperança e não deixo de acreditar que pode haver respeito , companheirismo , compromisso e amor entre dois homens . Nunca me entreguei aos antidepressivos pois se era para bater com a cabeça nas paredes eu batia , se era para chorar sózinho eu chorava mas não deixo de acreditar . Tenho 39 anos e estou só e no entanto continuo a acreditar . Enche-me o coração saber que amei muito quem amei e que fui honesto e coerente , portanto vivo em paz .

Penso que um dos problemas entre dois homems é o facto de confundirem sexo e a carencia do mesmo com amor o que torna tudo uma grande confusão ; muitas vezes não existe sequer cumplicidade ou amizade entre os dois , começa tudo pelo sexo e ao segundo dia já estão a dizer que se amam ...

Diz ao Zé que não perca a esperança eu tenho 39 anos e ainda não perdi , quanto aos comprimidos meta-os pela sanita abaixo , levante a cabeça e pergunte a si mesmo o que é que estava á procura quando engatava na cidade universitária .
Não sei que idade o Zé tem mas ´´por morrer uma andorinha não acaba a primavera ``.

E se ele tem tanta dificuldade em falar da sua vida , fica aqui o meu e-mail para que ele se sinta ávontade em falar comigo .

lfdcleitao@yahoo.com.br ou dias7@sapo.pt

um abraço

Luis

9:12 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Sinceramente, como nunca passei por essa situação (ou parecida) na vida n devo especular muito mas a vida continua e devemos ter sempre a força para ultrapassar qualquer fase menos boa da vida, mas para isso é bom que os amigos, mesmo poucos, estejam presentes.

Abraço, Rúben

11:21 da tarde  
Anonymous zé das couves said...

É SO PANELEIROS DE MERDA AQUI....MORRAM TODOS FILHOS DA PUTA....

3:35 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home