domingo, setembro 20, 2009

Uma grande receita para a infelicidade

O sentido mais clássico da paixão - segundo os gregos - mais próximo do sofrimento, faz com que as pessoas busquem um certo masoquismo nas suas relações. O mais curioso desta perspectiva passa por uma certa adversidade: há uma tendência natural das pessoas fisicamente atraentes e até inteligentes, algumas objecto de enorme edulação, para que se apaixonem por quem lhes trate mal ou, no limite, o pior possível. E, vendo as coisas do outro lado, não é muito difícil maltratar alguém, não exige qualidades transcendentes, às vezes basta só aplicar uma pequena dose de egocentrismo.
Na busca constante do desafio, o ser humano atrai-se naturalmente pelo lado mais resistente. Mas tudo tem um limite e não é preciso muitas experiências negativas para perceber que os resultados práticos de tanto sofrimento, causado por uma rejeição directa ou indirecta, dão para pouco mais que uma quebra na auto-estima.

2 Comments:

Blogger O Puto said...

É incrível como esse dualismo estímulo/reacção se aplica às relações.

6:39 da tarde  
Anonymous Moroques said...

Apetecia-me que os resultados práticos desse sofrimento servissem para uma fortificação de outras coisas, incluindo a auto-estima... Essa deverá ser a última a ser abalada... afinal gostamos mais de nós ou de quem nos provoca esse sofrimento?! A resposta a esta pergunta “nunca” poderá outra que não “nós”, se acaso for, aí “temos o caldo entornado”...

8:57 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home