domingo, maio 30, 2010

También te quiero mucho, Rihanna*



* isto hoje não podia estar mais latino!

Pressãozinha boa (mas um bocadinho hipócrita)

Notícia do dia. A gay couple jailed in Malawi after getting engaged have been pardoned by President Bingu wa Mutharika.

A tal pressão internacional. Aid donors and human rights groups have been putting pressure on his government to respect the rights of minority groups.
The UK government, Malawi's biggest donor, said it was dismayed by the sentencing, and the US labelled it a step backwards for human rights.


Os EUA e o seu bem-aventurado “faz o que eu digo, mas não o que eu faço”:
The White House is pleased to learn of President Bingu wa Mutharika's pardon of Tiwonge Chimbalanga and Steven Monjeza. These individuals were not criminals and their struggle is not unique. We must all recommit ourselves to ending the persecution and criminalization of sexual orientation and gender identity. We hope that President Mutharika's pardon marks the beginning of a new dialogue which reflects the country's history of tolerance and a new day for lesbian, gay, bisexual, and transgender rights in Malawi and around the globe.

sábado, maio 29, 2010

Può fare e dire qualsiasi cosa ma se mi tocco la R8 ...

sexta-feira, maio 28, 2010

Obrigadinho mas não me apetece.

quinta-feira, maio 27, 2010

Se é bué difícil estar aí com a mão caralho porque te sujeitas a essa tarefa?



Os fãs portugueses da nova vaga indie estão a ficar cada vez mais parecidos com os congéneres espanhóis: aproveitam os concertos para meter as conversas em dia e estão-se a marimbar se há, por ali, quem prefira ouvir uma banda, para o qual – imagine-se - até pagou bilhete, em vez de participar involuntariamente na discussão do dilema existêncial de qualquer neoindie do século XXI: lasanha do lidl vs lasanha do pingo doce... Ahh espera... Olha está ali a Fátima!

quarta-feira, maio 26, 2010

A Dido e os Faithless fazem-me lembrar aqueles casais que se divorciam, mas que de vez em quando marcam uns encontros escaldantes para matar saudades

(com um vídeo caseirinho todo janota a acompanhar e tudo, hein?)




Por falar em Dido, esta nova música, para já, pode ser só uma amostra de que a banda sonora do “Sex in The City 2” (em que, entre outras participações, também podemos contar com uma versão de Lisa Minnelli do “Single ladies ...” da Beyonce , o clássico “True Colours” da Cyndi Lauper, a Erykah Badu delirar com “Window Seat” e a Natacha Atlas com “Kidda”) será quinhentas e trinta e uma vezes melhor que o respectivo filme (que por acaso até estreia esta semana nos EUA).

segunda-feira, maio 24, 2010

Em tempos de austeridade há sempre uns que austerizam mais que outros


Curiosamente na mesma semana em que todos os noticiários abriam com a revelação das novas medidas de austeridade - ora pois vem aí tempos difíceis, e pede-se muita poupança e (obrigatória) solidariedade com a causa anti-défice e pró-rating - a Sic entrava, uma vez mais via Daniel Oliveira (o amigo íntimo que qualquer jogador de futebol profissional tem de ter), na intimidade dos “incríveis” seleccionados. São tempos de crise mas, “incrivelmente”, os jogadores da selecção nacional não se fazem de modestos no que toca a mostrar como ela (a crise, qual crise?) lhes passa completamente ao lado.
Num momento ouve-se o senhor ministro das finanças anunciar que para evitar uma calamidade nos vai ter que aumentar o IVA do pão e do leite e mais um “bocadinho” na retenção de IRS do ordenado, não muitos minutos depois vê-se o Pepe a mostrar, entre desconcertantes truques de cartas, os seus mega-plasmas e a sua frota automóvel de fazer inveja um qualquer conceituado stand. Que todos aqueles bens sejam merecidíssimos, mas os telespectadores não ficam confusos?

domingo, maio 23, 2010

Milagre!

sábado, maio 22, 2010

Dizem que é uma espécie de apartheid, mas em bom


A cidade de Nova Iorque é um dos principais centros financeiros, comerciais e industriais do mundo. Somente na região metropolitana, empresas, lojas e agências governamentais fornecem cerca de sete milhões de postos de trabalho. Junta-se a estes, o facto de que é a cidade com a maior taxa de densidade populacional dos EUA. Por outro lado, também é a cidade que acolhe mais turistas: 45 milhões (em 2009) - mesmo como número anual, não deixa de impressionar. Aparentemente, pelo menos até à pouco tempo, os nova-iorquinos e os turistas “conviviam”, partilhando os mesmos espaços públicos, pacificamente.
A ruptura chegou quando se aperceberam que os passeios da 5th Avenue e da 22nd Street deixaram de ser suficientemente largas para serem frequentadas harmoniosamente por residentes/trabalhadores e turistas: os primeiros constantemente atrasados para as suas very important meetings e, oh fuck, lá estão mais uns casalinhos parados no meio do passeio a tirar fotos ou semi-perdidos de mapa na mão, quando não são excursões de japoneses... Alguém surgiu com uma ideia de os separar por uma linha e aplicaram-na, para já, às duas principais artérias da cidade.
Por mim, que não sou uma coisa nem serei outra (a curto prazo), tudo bem. Mas que estou curioso para saber até onde irá este novo ideal segregacionista dos tempos modernos, lá isso estou.

Pensava eu que era um dos milagres de Jesus

quinta-feira, maio 20, 2010

Um passo atrás


A judge in Malawi has imposed a maximum sentence of 14 years in prison with hard labour on a gay couple convicted of gross indecency and unnatural acts.

Os EUA já tinham reagido ontem:

"The United States is deeply disappointed in today’s conviction of same-sex couple Tiwonge Chimbalanga and Steven Monjeza in Malawi," said assistant secretary Phillip J. Crowley at a press briefing Wednesday. "We view the criminalization of sexual orientation and gender identity as a step backward in the protection of human rights in Malawi. The Government of Malawi must respect the human rights of all of its citizens. The United States views the decriminalization of sexual orientation and gender identity as integral to the protection of human rights in Malawi and elsewhere in the world."

E a Europa? Vai remeter-se ao silêncio habitual?

Por via das dúvidas, eu propunha umas reclamações avulso, via e-mail, para a embaixada do Malawi por estas bandas: embassy.malawi@skynet.be .

quarta-feira, maio 19, 2010

O que eu gosto de um gifzinho com gatos! III

terça-feira, maio 18, 2010

O Metro é cada vez mais o Inimigo Público dos jornais gratuitos

domingo, maio 16, 2010

Quando é que foi a última vez que nós tivemos um "gei" no "podeg"?

- Estão todos na oposição... Monárquica!

A entrevista exclusiva no Herman 2010 com os dois responsáveis da empresa de catering que serviu a comitiva do Papa:

sábado, maio 15, 2010

Os pais de Mirandela


Os meus coleguinhas de trabalho ficaram ontem muito revoltados com a decisão da Câmara de Mirandela, ao demitir a professora de 1º ciclo básico por se ter despido para a última edição da Playboy. Dizia alguém, que com esta professora, concordaria até com umas lições suplementares de meia-hora para os filhos e hora e meia para o próprio.
Eu solidarizo-me com a causa desta bonita e bem apetrechada professora, até à parte em que se afirma por aí, tão convictamente, de que uma “aventura” extra-profissional não influencia o desempenho da actividade principal, por fazer parte da vida privada. Só que não faz. Expor-se numa revista com uma tiragem de 120 mil exemplares ultrapassa todos os limites óbvios dessa vida e, tomada a decisão, há que esperar que as consequências possam ir além da notoriedade. O que aconteceu depois em Mirandela foi qualquer coisa tão simples como isto: alguém, soberano, achou que a “aventura” desresponsabilizava a profissão e lá terá as suas razões.
Pelo que as notícias nos deixam ver, as mães de Mirandela apoiam a decisão da Câmara, ao contrário de alguns pais, dos meus camaradas de trabalho e restante trupe de "comentadores de bancada". Como disse, em parte estou com estes últimos, sobretudo pelo princípio de solidariedade com toda a gente que me apareça à frente carenciada de roupa. Antes que resfrie, no mínimo, há que partilhar um pouco do meu calor humano.
Sobre este assunto ainda subsiste uma pequena dúvida que não posso deixar de esclarecer na segunda-feira junto dos coleguinhas: e se em vez da professora Bruna, este caso tivesse como protagonista o professor Bruno, manteriam todo esse apoio e continuariam a desejar aquelas actividades (extra) extracurriculares?

sexta-feira, maio 14, 2010

Melhor que aquela cena do Mike Tyson no filme “A ressaca”, só mesmo isto

quarta-feira, maio 12, 2010

A cumplicidade entre o futebol e a igreja também funciona fora-de-horas

O que eu gosto de um gifzinho com gatos! II

terça-feira, maio 11, 2010

Quem tem medo de analogias?

A "Proposition 8" (ou o "California Marriage Protection Act") foi a proposta de uma emenda constitucional aprovada em Novembro de 2008, no estado da Califórnia, através de referendo. A medida adicionou uma nova disposição, o ponto 7.5 da Declaração de Direitos do Homem: "Only marriage between a man and a woman is valid or recognized in California" - ao restringir a definição de casamento a casais do sexo oposto, esta cláusula anulou a anterior decisão do Supremo Tribunal de Justiça que considerava constitucional o matrimónio entre pessoas do mesmo sexo.
Na altura muito se falou sobre o assunto, sobretudo no facto de cerca de 70% da comunidade negra e mais de metade da população latina ter votado a favor da proposta. Quando se trata de direitos das minorias, o progresso raramente surge na forma de um voto popular, pois até as minorias - quando o deixam de ser - também discriminam, what's new?
Na verdade, a "novidade" estava no apoio massivo de várias religiões na campanha. A Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, mais conhecida por Igreja Mórmon, foi uma das principais. "8: The Mormon Proposition" é um documentário onde se desmascara essa influência.
Foram utilizados documentos internos da igreja e registos de funcionários mórmones, para além de entrevistas com ex-membros, para se provar que com gastos na ordem dos 22 milhões de dólares, esta igreja ultrapassou os seus limites de organização religiosa sem fins lucrativos para garantir a aprovação da "Proposta 8". O filme acaba também por explorar historicamente o impacto de uma atitude intolerante desta igreja em relação aos gays, com o testemunho das tentativas de suicídio por parte de jovens mórmones, como sendo aquela, a desesperada solução para evitar os tratamentos de choque que eram sujeitos, na tentativa de "curá-los" da sua homossexualidade.
"8: The Mormon Proposition" estreia no próximo mês nos Estados Unidos, mas provavelmente, nunca será exibido por cá. Não houvesse alguém de se lembrar de fazer analogias coerentes. Ou pior, alguém pegar na ideia e desmontar os limites da influência de uma outra igreja na limitação de um direito constitucional a um grupo minoritário.

O que eu gosto de um gifzinho com gatos!

segunda-feira, maio 10, 2010

Parado, por tempo indeterminado

sexta-feira, maio 07, 2010

Quem ri por último, tem que rir baixinho para não acordar os vizinhos

O programa “Notícias em segunda mão” (SIC) na sua estreia, em Fevereiro, começou por passar logo a seguir ao noticiário da noite, em pleno horário nobre. Algumas semanas depois transferiram-no para depois das novelas, o que em termos práticos é algo que já vai para além da meia-noite. Umas emissões depois e já passa(va) uma hora mais tarde, depois do CSI. Portanto, hoje, os fãs da dupla Horácio e Madeira têm que esperar que passe as histórias das eternas coitadinhas chorosas (que passam a vida a lamentar-se da rica vida rica que têm) e aguardar que um grupo de investigadores descubra o culpado de um homicídio num balneário através da realização de análises de vanguarda a um vestígio de pelo púbico encontrado no chão.
Não estou a afirmar que o “Noticias...” seja melhor que os programas que o antecede, porque não está aqui em questão a qualidade do programa mas a forma como ele é tratado pelo canal de televisão que o promove. É este desrespeito perante os autores do programa e sobretudo pelo seu público que vale a pena salientar. Não é inédito e já ninguém se deixa surpreender, é certo, quando os programas de autor e/ou de humor se tornam vítimas deste constante “joguinho do share”. Por esta altura e depois do fiasco Sic Comédia, já ninguém tem dúvidas se a SIC tem ou não piada, ou ela não continuasse a fazer da guerra das audiências um assunto mesmo muito sério.




quarta-feira, maio 05, 2010

Kuniyuki Takahashi





É com prazer que partilho este projecto de Deep-House com profundas influências Jazzy ou não tivéssemos, em pleno século XXI, perante uma das primeiras provas oficiais da renovação do Chill Out. Enfim, a banda sonora perfeita para as próximas finais de tarde.

(Os eventuais interessados numa “amostra” deste disco podem solicitá-la via caixa de comentários)

terça-feira, maio 04, 2010

Oh Chely!

Para quem não sabe (ahah!), Chely Wright é uma cantora americana de música country. Também é belíssima como estas manhãs de primavera, assumiu-se como lésbica e ficou mais conhecida que antes. Tanto melhor.
Para quem ache o contrário, "AIAI os impiedosos e conservadores fãs de country!!", seis letrinhas apenas: k. d. lang.

Cenas de maxo (muito intímas)

domingo, maio 02, 2010

O Benfica vai pegar

Vandalizam-lhes casas de apoio e autocarros. As claques do outro clube continuam a lançar-lhes as habituais ameaças a quem se desloca ao Porto para assistir a "só" um jogo de futebol... O clima intimidatório não pára.
Ninguém pode parar essa onda danada? Poder, pode, Iran, mas a sua música, há que dizê-lo com toda a frontalidade, também não ajuda muito.
Os benfiquistas vão pegar, é certo. Só não se sabe bem se é o título ou se umas nódoas negras.