sexta-feira, maio 23, 2008

60 aéreos

Só comecei a pensar nesta problemática quando a senhora da tesouraria do Governo Civil de Lisboa disse: “verde código verde”, ao mesmo tempo que me metia à frente um desses modernos aparelhos sem fios, que de há pouco tempo para cá invadiram a nossa “sociedade de consumo” – já esteve mais longe o dia em que um arrumador de carros me apresentará, em vez da sua bela naifa, um terminal de Multibanco assim que eu disser: “não tenho trocos”. 60 euros, informava-me ela e o mostrador de tal maquineta. A emissão de um Passaporte custa 60 euros em Portugal! Mas porquê ou para quê? Para pagar a simpatia e profissionalismo do funcionário que me manda colocar em frente de um monitor, sem explicar que vou ser fotografado, para além de que depois de ver e de não gostar do resultado, receber um seco: “Azar!”? O mesmo funcionário que me obriga a repetir meia dúzia de vezes a digitalização da minha assinatura só porque não é uma cópia integral da do Bilhete de Identidade? Ou será que o papel, onde a minha medíocre fotografia e a minha perfeita assinatura serão impressos, é banhado a ouro? Nada disto. É só o custo que se tem de suportar por querer fugir de um “país” que já está a ir ao meu bolso assim que saio de casa e meto a chave na ignição do meu carro. No fim ainda diz: “Ai queres-te ir embora? Então são mais 60 euros!”. “Verde código verde!”.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home