domingo, janeiro 09, 2011

Crime, digo eu

Carlos Castro nunca foi uma personalidade que eu percepcionasse como "boa pessoa". Sempre transmitiu uma certa “imagem” de cuscuvilheiro e de uma certa futilidade. Por cá, poucos lucravam tanto com a má-lingua como ele. De qualquer forma, a soma de uma pessoa não são esses breves contactos que percepcionamos, nem as outras características acessórias (que tem servido de pretexto para fazer uma autêntica "orgia homofóbica" por tudo o que é caixa de comentários e fóruns da net), pois essas são totalmente irrelevantes perante um crime e até desviam-nos desse facto principal. É que para além da morte de um ser humano, esse deve ser o facto que nos prende a atenção e não os outros.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home