sexta-feira, maio 20, 2011

A quinta dos 1001 quartos

As minhas visitas a locais abandonados são também viagens ao passado. Uma das razões que me levam a querer conhecer melhor estas casas está na hipótese de imaginar como elas eram antes de serem abandonadas. Para tal, tento registar todos os momentos por onde passo, para mais tarde essas imagens facultarem-me nesse processo de dar vida (no meu pensamento) a estes locais. (Com as devidas distancias, e comparando cinematograficamente, será tudo aquilo que James Cameron fez nas melhores partes de "Titanic".)
Há uma outra razão que passa pela curiosidade em ver a natural degradação dos materiais face à natureza envolvente, sem qualquer intervenção humana. É por isso que prefiro locais mais isolados e afastados dos grandes aglomerados populacionais.

Nos arredores de Castanheira do Ribatejo há uma quinta desabitada há muitos anos que sempre despertou-me alguma curiosidade. Apesar de não reunir as tais condições ideais (fica colada à EN1!), recentemente tomei a decisão de a visitar.

Ao contrario do muro que delimita toda a área, a entrada ainda se encontra intacta. Só o seu portão enferrujado revela a passagem do tempo. Ao longo do caminho que me leva as casas, vou constatando da verdadeira extensão que ocupam. Esta quinta ao longe parecia-me composta por vários edifícios e, já no local, confirmo essa tese, mas ainda assim surpreende-me o facto de eles estarem ligados entre si, na tentativa de se isolarem do exterior. Em frente à entrada daquele espaço, há um pequeno túnel que dá acesso às traseiras. Aqui encontram-se alguns anexos. Nomeadamente - só por aquilo que a vegetação deixa ver - alguns canis e um grande armazém.

O lado norte do edifício principal, seria o zona habitável. O seu interior é composto por um labiríntico sistema de quartos (e salas) que desaguam sucessivamente em mais quartos (alguns deles fechados). É muito fácil perder-me por aqui... Mas o perigo nem reside tanto nessa desorientação, mas no facto de algumas destas assoalhadas já não terem tecto/piso - por isso toda a cautela é pouca. Esta parte do edifício é constituída quase sempre por dois pisos - no largo central o piso inferior passa a cave.
Do lado oposto, alguns portões abertos permitem-me ver algo que terá sido em tempos uma adega e vários estábulos. Constato por aqui que algumas telhas já vão cedendo o seu lugar ao infinito do céu. Deve ser mesmo esta a ordem natural das coisas.

Voltando ao exterior e à zona de entrada do edifício, encontro de um lado uma fonte e do outro, um orifício que parece-me ter sido usado como forno. Face a tantos pormenores que este lugar possui, parece-me normal que aqueles tenham-me escapado à chegada. E fui-me embora com a sensação que haveria muitos outros por descobrir.

































0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home