segunda-feira, abril 07, 2008

Há homens que já nascem póstumos

Coincidentemente alguns artigos que li nos jornais/revistas no passado fim-de-semana estabelecem todos um determinado perfil do que é ser um homem português hoje em dia. Começando pela hilariante crónica de Ferreira Fernandes, na revista NS do Diário de Notícias, “Encaixados até mais não”: “Vivemos dos rendimentos da fama por termos dado mundos ao mundo. Se houver um instrumento náutico que nos defina hoje, já não é o sextante nem o astrolábio. É a âncora. Não é a vela latina é o vale dos lençóis”. A crítica a esta passividade e estado de graça de apatia dos portugueses continua noutra área, “Mais de um em três portugueses nunca conheceram outro patrão senão o primeiro... Portugal é o campeão europeu de permanência no mesmo emprego: 11 anos de média”. Face também à idade tardia com que presentemente se sai de casa dos pais e o respectivo poder maternal castrador, é previsível que FF goze com o assunto: depois das saias da mãe, as calças do patrão! (Isto, obviamente, deve ser visto de uma forma muito generalista e haverá sempre vários motivos que expliquem estas tendências, no entanto concordo com parte das críticas.)

Depois de ir até à última página desta mesma revista descobrir que a Cidália (e o seu respectivo sexo) se depara com um problema de habitabilidade com os homens portugueses, pois parece que dormem muito e quando o fazem não respiram, ressonam - “ressonam, logo existem”, Marta, é obrigatório leres esta crónica, nem que seja para cobrares os direitos de autor pela solução final utilizada – chamou-me à atenção um dos temas de destaque da capa do jornal que também me parece sexualmente interessante. “Jovens – os novos clientes das prostitutas”. Duas páginas inteiras para se ficar a conhecer a história de uma prostituta novata que “bate” a zona do Técnico e tem receio de ir com a malta mais nova, pois não sabe o que eles lhes podem fazer (?); que ainda há jovens rapazes no Cacém que pagam a prostitutas da estrada que, por sua vez, os levam para um recanto de uma mata, onde há “um colchão velho rodeado de arbustos e papeis usados” e que todo aquele ambiente lhes causa muita impressão, mas tal enojamento não os impede de perder a virgindade, que é para isso que eles ali estão e lhes pagam; depois vem o relato de um mulherengo inveterado viciado em bares de strip, em que num deles, lá para os lados do Montijo, há um amigo que é segurança e à porta recomenda-lhe ir ter com a sua namorada stripper, pois consta que ela faz um “oral divinal” e no fim da noite acabam todos na casa desse tal amigo segurança, com mais algumas strippers “sem pudores” (?), numa orgia inesquecível; e por fim, o testemunho de duas prostitutas brasileiras que trabalham por conta própria, garantem que os portugueses são muito liberais no sexo: “há homens que pedem para eu só usar instrumentos neles, outros que querem que eu passeie com os meus saltos altos no corpo deles... Vocês portugueses são mesmo viciados em sexo.” Consta que sim e vocês, brasileiras, sabem bem tirar proveito disso, valeu?

Portanto, ponto da situação: os homens portugueses para além de ressonarem que nem uns porcos, são meninos da mamã, ociosos e profissionalmente inertes, mas, para compensar, são muito activos sexualmente. Nesta área começa-se por dar uma primeira queca num colchão velho no meio de uma mata lá para os lados do Cacém e acaba-se no Intendente a servir de tapete de uma prostituta brasileira fã de Nietzsche.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home